Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Desembargador do TRF-1 liberta primo de Davi Alcolumbre

Preso por envolvimento com o tráfico internacional de drogas, Isaac Alcolumbre terá de comparecer em juízo todo mês para relatar atividades

Por Robson Bonin Atualizado em 27 out 2021, 16h34 - Publicado em 27 out 2021, 16h31

Decisão assinada nesta terça pelo desembargador Candido Artur Medeiros Ribeiro Filho, do TRF-1, derruba a ordem de prisão preventiva contra Isaac Alcolumbre Neto, primo do presidente da CCJ do Senado, Davi Alcolumbre, que havia sido preso recentemente por envolvimento com o tráfico internacional de drogas no Amapá.

Para o desembargador, não há risco de fuga relacionado a Alcolumbre Neto nem evidência que justifique a sequência da prisão preventiva. “Entretanto, da análise dos fundamentos exarados pelo Juízo a quo para a imposição da prisão
preventiva do paciente, não obstante a gravidade dos delitos sob investigação, entendo que não foram
evidenciadas circunstâncias concretas ou elementos de prova que evidenciem o indispensável risco atual de
reiteração delitiva ou de fuga quanto ao paciente, a fim de autorizar a imposição da preventiva neste momento”, diz o magistrado.

“Reconsidero a decisão proferida em sede de plantão judiciário e defiro a liminar requerida para substituir, desde logo, a prisão preventiva do paciente Isaac Menahem Alcolumbre Neto pelas seguintes medidas cautelares: (a) proibição de manter contato com os demais investigados; (b) comparecimento mensal em Juízo para informar e justificar suas atividades; (c) proibição de ausentar-se do distrito da Comarca/Subseção/Seção Judiciária onde resida, por mais de 10 (dez) dias, sem prévia autorização daquele Juízo; (d) recolhimento de seu passaporte. Isso tudo, sem prejuízo de que o Juízo a quo imponha alguma outra medida cautelar que entenda pertinente, desde que devidamente justificada”, diz o desembargador.

Publicidade