Clique e assine a partir de 8,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Candidato a delator do escritório do crime desiste após morte de miliciano

Comparsa de Adriano Magalhães já tinha até advogado para negociar suas confissões

Por Robson Bonin - Atualizado em 14 fev 2020, 07h01 - Publicado em 14 fev 2020, 06h01

Um miliciano do círculo de amigos de Adriano da Nóbrega — morto nesta semana pela polícia da Bahia — contratou há alguns meses um conhecido advogado no Rio para negociar um acordo de delação premiada.

Ele prometia entregar áudios de WhatsApp, mensagens de celular e outras provas de sua relação com gente importante da política no Rio.

A morte de Adriano, porém, fez tudo parar justamente na parte em que o candidato a delator começaria a produzir um resumo de fatos a serem oferecidos pelo advogado ao Ministério Público Federal.

Publicidade