Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Com pauta trabalhista, governo Bolsonaro busca aproximação com sindicatos

Em reunião com Onyx Lorenzoni, centrais dizem ter tido "surpresa agradável" e avaliam que "passado sindicalista" de ministro pode ajudar em conversas

Por Laísa Dall'Agnol Atualizado em 24 ago 2021, 18h40 - Publicado em 24 ago 2021, 17h52

Com o que é chamada de ‘nova reforma trabalhista’ andando a passos largos, o governo Bolsonaro tem acenado aos sindicatos de trabalhadores — e até o passado ‘sindicalista’ de Onyx Lorenzoni pode ajudar na jogada.

Em reunião nesta terça com o novo ministro do Trabalho, as principais centrais — UGT, CUT e Força Sindical — saíram com o que foi descrita como uma inédita boa impressão.

“Pela primeira vez, um ministro do Bolsonaro causa uma surpresa agradável”, afirmou Ricardo Patah, presidente da União Geral dos Trabalhadores.

Apesar de defender a MP 1.045, aprovada na Câmara e ainda pendente de análise pelo Senado, Onyx foi procurado para amenizar o impacto da medida para os desempregados e informais do comércio — a maioria jovens. A implantação de projetos de qualificação profissional também esteve na pauta.

“Como o ministro foi sindicalista [Onyx fundou o Sindicato dos Veterinários no Rio Grande do Sul], pode funcionar”, diz Patah. “Ele pode não resolver os problemas, mas pelo menos dá para conversar.”

A medida provisória em tramitação é criticada, sobretudo, por flexibilizar as relações de trabalho e permitir contratações sem o pagamento de 13º salário, FGTS e férias.

Continua após a publicidade
Publicidade