Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Cacique do MDB rejeita aproximação com Ciro Gomes: ‘É uma Maria Louca’

'Se inventarem isso, vamos fazer o grupo dos autênticos no MDB', diz Eunício Oliveira

Por Robson Bonin Atualizado em 16 jun 2021, 19h56 - Publicado em 17 jun 2021, 07h30

O mero ensaio de uma possível aproximação de siglas de centro com a candidatura de Ciro Gomes, do PDT, fez um dos caciques do MDB, o presidente do partido no Ceará, Eunício Oliveira, riscar a faca no chão.

Rival de Ciro, Eunício avalia que a aproximação do seu partido com o pedetista, se levada adiante, provocará uma guerra no partido, com o surgimento de grupos contrários e uma verdadeira crise na sigla.

“O centro imaginar que alguém como Ciro Gomes seja de centro? Ciro não é solução para ninguém. Ciro é de direita. Nasceu no PDS. Fora que, num dia, ele é capaz de defender a ditadura de manhã e, de noite, já estar abraçado ao PSOL. Se, nesse caminho, tiver entrevista, ele dá dois tabefes nos jornalistas e, se algum deles for negro, o Ciro ainda bota para fora da sala”, diz Eunício.

Para o cacique do MDB, é impossível cogitar que o partido apoie Ciro em 2022. “Quem imaginar que o partido de Ulysses Guimarães vá apoiar essa Maria Louca, está pensando equivocadamente. Se inventarem isso, vamos fazer o grupo dos autênticos no MDB”, diz Eunício, lembrando o grupo de deputados que teve um papel de destaque na resistência do Parlamento contra a ditadura militar de 1964.

Continua após a publicidade

Publicidade