Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Como Bolsonaro prepara o ‘tiro de misericórdia’ em Mandetta

Militares do Planalto tentam evitar queda, mas já reconhecem que o ministro pode não terminar a semana no cargo

Por Robson Bonin - Atualizado em 6 Apr 2020, 13h03 - Publicado em 6 Apr 2020, 13h01

Com o Brasil entrando no período mais crítico da pandemia de coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro deu, nas últimas horas, o passo definitivo para tirar o ministro Luiz Henrique Mandetta do governo.

Para desespero do núcleo militar do Planalto, que tenta evitar a demissão do chefe da Saúde, Bolsonaro liberou o núcleo ideológico vinculado ao chamado gabinete do ódio a vasculhar o passado do ministro de modo a identificar supostos pecados de Mandetta.

O objetivo da ação aloprada é difamar o ministro e criar as condições necessárias — leia-se a narrativa aceitável ao bolsonarismo — para que o presidente cumpra a promessa de “usar sua caneta” contra o auxiliar. O foco da ação está no passado das contas eleitorais de Mandetta, mas a turma também procura dentro do próprio governo. Nas últimas horas, um elemento já foi identificado pelos inimigos do ministro. Para variar, uma fake news.

Com o aval do presidente, os bolsonaristas começaram a martelar em grupos de WhatsApp uma “denúncia” contra Mandetta. O texto diz que o ministro, “de forma silenciosa e sem o aval do planalto”, renovou contratos de publicidade de 1 bilhão de reais, firmados por Dilma Rousseff em 2016, com agências de publicidade que agora “alimentam a mídia contra Bolsonaro”.

Continua após a publicidade

Seria essa verba bilionária que teria tornado Mandetta um fenômeno de popularidade, não seus atos na condução guerra ao coronavírus. “Mandetta virou o ministro queridinho da extrema imprensa, pois o Ministério da Saúde escoa recursos para empresas de comunicação como Globo e Band”, registra o texto. Há, no texto, até espaço para uma conspiração com a China, suposto parceiro oculto da imprensa na luta contra Bolsonaro.

Um ministro do governo gastando uma verba bilionária com agências que financiam clandestinamente emissoras de TV inimigas do presidente? Eis um justo motivo para demissão, certo? A verdade, no entanto, é bem menos emocionante.

Mandetta simplesmente deu continuidade a um contrato de 250 milhões de reais com quatro agências que já prestavam serviços à pasta, o que estava previsto no orçamento do próprio governo Bolsonaro. Não é preciso dizer, no entanto, que o presidente já comprou a versão da conspiração de Mandetta com publicitários petistas e a “extrema imprensa” para derrubar o seu governo.

Acompanhando toda a loucura em curso, o chefe da Secretaria de Governo, Luiz Eduardo Ramos, e o chefe da Casa Civil, Walter Braga Netto tentam convencer o presidente a não demitir Mandetta. O núcleo militar avalia que a saída do comandante da Saúde desmobilizará toda a estrutura montada na pasta, pois outros integrantes do time de Mandetta se demitiriam com ele.

Continua após a publicidade

Num momento de agravamento da crise, com o país iniciando a chamada “subida da curva” de infectados e mortos pelo coronavírus – já são quase 500 mortos e mais de 11.000 infectados –, reorganizar o trabalho em curso com novas pessoas seria um trabalho arriscado. Essa posição também é compartilhada por Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência.

Bolsonaro, no entanto, avalia que os militares estão preocupados em manter de pé justamente a estrutura que ele quer mudar na condução da Saúde. Com Osmar Terra praticamente escalado para assumir o lugar de Mandetta, o governo só teria de reescrever orientações de confinamento e tocar o trabalho de logística já articulado pela Saúde e outros órgãos da máquina.

Bolsonaro não precisa da estrutura para evitar o contágio. Ele é partidário do que defende Terra, a contaminação deliberada como forma de combate à pandemia. As próximas horas serão de guerra no Planalto, com o núcleo militar lutando contra o clã ideológico bolsonarista para manter Mandetta.

Em tempo, Mandetta já foi alertado de que o clã bolsonarista vasculha seu passado. Está em silêncio, trabalhando, mas se cair, não cairá calado.

Publicidade