Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bolsonarista entrega a Moro e ao MPF queixa-crime contra Witzel

Parlamentares querem que supostos grampos na Assembleia Legislativa do Rio sejam investigados por Brasília

Por Mariana Muniz - 20 fev 2020, 13h13

Depois de protocolar um pedido de impeachment contra o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), o deputado bolsonarista Anderson Moraes entrega em Brasília, nesta quinta-feira, uma queixa-crime pedindo que o ministro da Justiça, Sérgio Moro, e o Procurador Geral da República, Augusto Aras, investiguem os supostos grampos ilegais para a criação de dossiês contra parlamentares da Assembleia Legislativa do Rio.

O parlamentar representa a ala de estaduais ligada ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Também assinam o pedido:  Alana Passos, Fernando Salema, Renato Zaca, Filippe Poubel e Márcio Gualberto. O documento cita que presidente da Alerj, André Ceciliano (PT), declarou ser prova testemunhal dos “indícios de espionagem por parte do governador contra os 70 deputados”.

A crise envolvendo os supostos grampos ilegais contra parlamentares começou no dia 8 de fevereiro, quando o presidente da Alerj publicou no Diário Oficial do Estado um requerimento de informações pedindo formalmengte esclarecimentos de Witzel a respeito das escutas ilegais. 

Segundo ele, Tristão teria afirmado abertamente estar de posse de dossiês.

Continua após a publicidade

Tristão foi convocado pela Comissão de Segurança Pública da Alerj para prestar esclarecimentos e seu depoimento está marcado para 8 de março. 

Publicidade