Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Bens bloqueados

Vai ser animada a assembleia extraordinária da Usiminas, na segunda-feira, para eleger o presidente e outros membros do conselho de administração. Em meio à disputa entre os grupos Ternium-Techint e Nippon Steel pelo comando da siderúrgica, um dos candidatos a presidente, Marcelo Gasparino, teve um revés na Justiça de Santa Catarina ontem. A desembargadora Cláudia […]

Por Da Redação - Atualizado em 31 jul 2020, 01h42 - Publicado em 2 abr 2015, 17h59
Usiminas: hora da decisão

Usiminas: hora da decisão

Vai ser animada a assembleia extraordinária da Usiminas, na segunda-feira, para eleger o presidente e outros membros do conselho de administração. Em meio à disputa entre os grupos Ternium-Techint e Nippon Steel pelo comando da siderúrgica, um dos candidatos a presidente, Marcelo Gasparino, teve um revés na Justiça de Santa Catarina ontem.

A desembargadora Cláudia Faria determinou o bloqueio dos bens de Gasparino e de outros ex-diretores da Centrais Elétricas de Santa Catarina (Celesc), por conta de uma ação civil de improbidade administrativa envolvendo a empresa Monreal.

O Ministério Público de Santa Catarina diz que a Monreal, contrada pela Celesc para a cobrança de faturas inadimplentes, recebeu pagamentos sem nenhum tipo de controle e fora das condições previstas na licitação. Gasparino foi diretor jurídico da Celesc.

Continua após a publicidade

Agora, o MP quer o ressarcimento de 224 milhões de reais pelo prejuízo causado à companhia.

Publicidade