Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Articulado por Temer, os bastidores do recuo de Bolsonaro

Texto, que incluiria um pedido de desculpas a Alexandre de Moraes pelas ofensas feitas 'no calor do momento', falará em 'pacificação'

Por Robson Bonin Atualizado em 9 set 2021, 16h56 - Publicado em 9 set 2021, 16h30

O ex-presidente Michel Temer entrou em campo nesta quinta para atuar como pacificador nessa guerra de Jair Bolsonaro com o STF.

Temer, que tem uma relação de amizade com o ministro Alexandre de Moraes, do STF, procurou o magistrado nos últimos dias para conversar sobre a conjuntura conflagrada do país.

Do ministro, ouviu que não há por parte do Supremo ou dele a intenção de elevar a temperatura da crise no país com ações provocativas. “Ao contrário, o ministro deixou claro que atua seguindo rigorosamente o que está na lei”, diz Temer.

Ao saber dessa atuação de Temer, Bolsonaro chamou o ex-presidente nesta quinta para uma conversa em Brasília. O ex-presidente veio de São Paulo num voo da FAB e encontrou Bolsonaro “aberto para uma conversa de pacificação”.

No encontro, além de tratarem da crise dos caminhoneiros, Bolsonaro e Temer redigiram uma nota com acenos à harmonia com o Supremo.

Além de se desculpar pelos insultos contra Moraes e o Supremo, feitos “no calor do momento”, diz Temer, o presidente Bolsonaro “pregará a construção de um ambiente de harmonia e pacificação entre os poderes”. A conferir.

Continua após a publicidade
Publicidade