Clique e assine a partir de 8,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Aras, que ironia, ajudou a Lava-Jato a se livrar do caixa dois de Onyx

Relator das 'dez medidas contra a corrupção', o deputado gaúcho era um constrangimento para a força-tarefa

Por Robson Bonin - Atualizado em 3 ago 2020, 18h38 - Publicado em 3 ago 2020, 18h37

Relator das dez medidas contra a corrupção, Onyx Lorenzoni tornou-se um enorme constrangimento para a Lava-Jato de Curitiba quando foi confessou em 2017 ser ele próprio usuário de caixa dois eleitoral — no caso, da JBS –, um dos pecados combatidos pela força-tarefa paranaense.

Nesta segunda, Augusto Aras, que tornou-se inimigo da força-tarefa, acabou prestando um favor ao grupo ao perdoar o crime eleitoral do ministro de Jair Bolsonaro.

Como mostrou o Jornal O Globo, o ministro fechou um acordo de não-persecução penal — o primeiro investigado a se beneficiar do instrumento — com a PGR em que admite o recebimento de caixa dois nas campanhas de 2012 e 2014.

O ministro da Cidadania vai pagar 189.000 reais como prestação pecuniária para encerrar uma investigação a respeito do assunto.

 

Continua após a publicidade
Publicidade