Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Aras pode sofrer novo revés na composição do Conselho do MPF

Subprocuradores escolhem nesta terça-feira dois integrantes para órgão colegiado mais importante do MPF

Por Mariana Muniz - Atualizado em 30 Jun 2020, 09h29 - Publicado em 30 Jun 2020, 10h34

Acontece nesta terça-feira a segunda parte da eleição que vai completar a composição do Conselho Superior, o mais importante órgão do Ministério Público, que tem dez integrantes.

A escolha merece atenção por se tratar da definição do grupo de subprocuradores que integrará o Conselho pelo próximo ano do mandato do procurador-geral da República, Augusto Aras.

O PGR saiu derrotado da primeira votação, realizada na semana passada, quando dois opositores a ele – Mario Bonsaglia e Nicolao Dino – foram escolhidos para integrarem o órgão, responsável pela aprovação de reosluções e do orçamento da instituição.

A expectativa para esta terça é que a oposição ao PGR continue em vantagem. Dos quatro candidatos às duas vagas, um deles é José Bonifácio de Andrada, ex-vice-PGR que foi exonerado da função por Aras e bastante querido pela “ala jovem” dos subprocuradores.

Continua após a publicidade

Os nomes apoiados por Aras são Maria Caetana Cintra Santos e Hindemburgo Chateaubriand. O subprocurador Brasilino Santos, que também concorre, aparece como um nome independente.

Entre as resoluções que pairam no Conselho está a que propõe a criação da Unidade Nacional de Combate à Corrupção e ao Crime Organizado (Unac), que unificaria as forças-tarefa da Lava-Jato hoje existentes.

Publicidade