Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Apagão gerencial será ‘legado’ de Weintraub no MEC

Ministro da Educação, como o Radar mostra nesta semana, só se segura no cargo por apoio dos filhos de Bolsonaro - até quando, ninguém sabe

Por Mariana Muniz Atualizado em 15 jun 2020, 13h36 - Publicado em 15 jun 2020, 12h14

O apagão gerencial no MEC – a grande obra de Abraham Weintraub – se aprofunda.

Programas como o do material escolar, por exemplo, só funcionam porque estão amparados em atos assinados ainda no governo de Michel Temer.

ASSINE VEJA

Os desafios dos estados que começam a flexibilizar a quarentena O início da reabertura em grandes cidades brasileiras, os embates dentro do Centrão e a corrida pela vacina contra o coronavírus. Leia nesta edição.
Clique e Assine

Não é por falta de tempo: o ministro está no cargo desde abril de 2019, quando Ricardo Vélez foi demitido.

Como o Radar mostra nesta semana, Weintraub só se segura no cargo por apoio dos filhos de Bolsonaro. Até quando, ninguém sabe.

Continua após a publicidade
Publicidade