Clique e assine a partir de 8,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Ao gravar vídeo, Alvim chegou a brincar que seria chamado de nazista

Segundo interlocutores da Cultura, secretário mente ao dizer que não conhecia origem nazista do texto e da música usada em fala

Por Robson Bonin - Atualizado em 17 jan 2020, 11h14 - Publicado em 17 jan 2020, 11h09

No olho do furacão causado pelo seu vídeo com frases nazistas e trilha sonora nazista, o secretário de Cultura, Roberto Alvim, saiu-se com essa há pouco, ao falar à Rádio Gaúcha sobre a confusão que ele mesmo criou.

“Se eu soubesse que era do Goebbels, não teria usado. Nós estamos investigando qual foi a origem de tudo isso. Uma casca de banana dessa”, disse Alvim.

Para quem está chegando agora, o chefe da Cultura do governo Bolsonaro resolveu aparecer num vídeo como se fosse o próprio ministro da propaganda de Hitler, Joseph Goebbels. 

Diante da repercussão catastrófica, ele agora tenta dizer que o conteúdo nazista do vídeo foi parar ali sem que ele soubesse. 

Ao Radar, interlocutores diretos de Alvim, sob a condição de anonimato, contaram uma história bem diferente. Alvim não apenas sabia da origem nazista da música e do discurso que fez como, ao aprovar o conteúdo, brincou: “Ele chegou a dizer, rindo, que seria chamado de nazista por causa do vídeo. Foi o próprio Alvim que escolheu a música inclusive”.

Continua após a publicidade
Publicidade