Clique e assine a partir de 9,90/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Você perdeu, Bolsonaro! Apoio à democracia bate recorde

País dividido quanto ao risco de uma nova ditadura

Por Ricardo Noblat - Atualizado em 29 Jun 2020, 07h14 - Publicado em 28 Jun 2020, 08h00

Em dezembro passado, pesquisa nacional do Datafolha conferiu que 62% dos brasileiros apoiavam a democracia e 12% uma ditadura. O apoio à democracia aumentou para 75%, de acordo com nova pesquisa aplicada por telefone junto a 2.016 pessoas nos últimos dias 23 e 24. E o apoio a uma ditadura caiu para 10%.

O que aconteceu de relevante no país entre dezembro e agora para que o apoio à democracia tenha batido seu recorde desde quando o Datafolha começou a medi-lo em 1989? Naquele ano, pela primeira vez, os brasileiros foram às urnas eleger o presidente da República depois de 21 anos de ditadura militar.

Os últimos seis meses foram os mais tensos do ponto de vista político por obra e graça do presidente Jair Bolsonaro. Ele afrontou o Congresso e o Supremo Tribunal Federal, testou os limites da democracia e compareceu a manifestações de rua em Brasília onde seus seguidores pediram uma intervenção militar.

Só recentemente, Bolsonaro começou a dar sinais de que estaria disposto a governar de acordo com as leis. Sua aparente conversão às regras do jogo democrático deve-se a derrotas que colheu em votações no Congresso, ao risco de não completar o mandato, à prisão de Queiroz e ao medo do cerco judicial aos seus filhos.

Continua após a publicidade

Era de 22% o contingente dos que diziam há seis meses que tanto fazia que o regime fosse democrático ou ditatorial. O contingente caiu para 12%. Foi onde se registrou a migração pró-democracia. Os apoiadores de Bolsonaro são também os que mais aceitariam a implantação no país de um regime totalitário: 15%.

Já os que rejeitam o presidente tendem a apoiar mais a democracia (85%), assim como habitantes do Sudeste (80%). O sentimento democrático cresce com o grau de instrução e com maior renda, passando de 66%, entre quem tem o ensino fundamental, a 91%, entre os com formação superior.

O Datafolha perguntou como os entrevistados definem o regime que existiu no Brasil entre 1964 e 1985. Para 78%, foi uma ditadura, enquanto 13% não o veem assim. Os que responderam não saber, 10%. De todo modo, o país está dividido entre quem vê risco de uma nova ditadura (46%) e quem descarta isso (49%).

Publicidade