Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sábado

O povo não veio. E vida seguiu.

Um dia disseram que a história sempre esse repete. Primeiro com tragédia. Depois como farsa. Quem pensou não conhecia o Brasil. Aqui a história não precisa de mais tragédia. Ela não se repete. E tem sempre jeitão de farsa.

O país tropical é onde a farsa prospera. Acostumados que estamos com a fraude, permanecemos incapazes de dedicar a ela o tratamento devido. A gente fica mesmo mesmerizado com a encenação com cheiro de farsa, jeito de farsa e voz de farsa. Talvez porque seja farsa mesmo.

Precisamos ainda subir muitos degraus civilizatório para entender as noções básicas de cidadania e estado de direito. Ou pelo menos uns poucos que nos permita entender que a prisão após a condenação é não somente esperada, mas natural. Seria assim em lugares que fazem sentido.

Não no país tropical. Talvez embriagados pelo suco da jabuticaba discutimos a concessão de privilégios usando como argumento a igualdade perante a lei. A gente faz muito se auto dispensou de fazer sentido. Por isso somos o paraíso dos juristas. Gente que, por acreditar em nada, diz qualquer coisa.

Com um pouco mais de noção de cidadania, não perderíamos 2 dias dando importância a eventos de outra maneira corriqueiros. E que, francamente, não fazem ou farão a menor diferença. Não escrevemos história. Preferimos dedicar nosso talento literário as notas de rodapé. Com quase certeza, vai ser lá que estarão eventos recentes. Se tanto.

Enquanto o tempo e a atenção do distinto público eram devidamente desperdiçados em todas as formas de mídia, a vida seguia. Fora daquele quarteirão onde se concentravam as lentes, tudo correu normalmente.

Talvez por isso, a farsa tenha se autoconsumido tão rapidamente. Notaram que os bondes permaneciam em cima dos trilhos. E que o tempo passava. E que não há nada como o tempo para passar.

E perceberam que já era sábado. O dia do presente. E nada mudava. O povo não veio. E vida seguiu. Indiferente a farsa já cansativa. Impossível fugir a essa dura realidade. Todos os bares estavam repletos de homens vazios. Todos os namorados de mãos entrelaçadas. Todos os maridos funcionando regularmente. Todas as mulheres atentas. Porque era sábado.

E ali, já com a audiência cansada da farsa, ao vivo dava para ver os tatos abandonando o navio. E, afinal, virar a chave. E dedicar o episódio ao rodapé da história. De onde nunca deveria ter saído.

 

Elton Simões mora no Canadá. É President and Chair of the Board do ADR Institute of BC; e Board Director no ADR Institute of Canada. É árbitro, mediador e diretor não-executivo, formado em direito e administração de empresas, com MBA no INSEAD e Mestrado em Resolução de Conflitos na University of Victoria. E-mail: esimoes@uvic.ca . 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. alfredo lucio saback soares de quadros

    e agora josé. digo lulla.
    só por que hoje é sábado uma figura tacanha foi suicidada. espero que não reencarne.

    Curtir