Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

República em estado de choque

O que pode vir

Por Ricardo Noblat Atualizado em 30 jul 2020, 19h21 - Publicado em 30 out 2019, 08h00

O espanto e o silêncio ditaram, ontem, o comportamento das cabeças mais coroadas da República. Algumas bocas se abriram apenas para dizer que não tinham assistido ao Jornal Nacional e, assim, não poderiam comentar a reportagem que envolveu os Bolsonaros no caso da morte da vereadora Marielle Franco.

Mas, entre si, as cabeças trocaram confidências e até aproveitaram reuniões já marcadas para manifestar sua preocupação com os possíveis desdobramentos do episódio. Concordaram que a TV Globo não levaria ao ar o que levou se não tivesse absolutamente segura da procedência das informações.

E mais: se não dispusesse de novas informações para divulgar nos próximos dias, talvez a partir de hoje. A Polícia Civil do Rio tem imagens da saída do carro do condomínio onde morava o presidente Jair Bolsonaro transportando os ex-policiais Ronnie Lessa e Élcio Queiroz, acusados de terem matado Marielle.

É possível que tenha também o áudio dos telefonemas onde o porteiro do condomínio informa a quem estava na casa de Bolsonaro que para lá se dirigia um homem de nome Élcio. A essa altura, já pode ter sido identificado o dono da voz que de dentro da casa de Bolsonaro autorizou a entrada de Élcio.

Hoje, na Câmara e no Senado, a oposição fará muito barulho em torno do assunto. A orientação de líderes de alguns partidos é para que não se acuse Bolsonaro diretamente de nada, mas que se cobrem explicações sobre o que possa ter ocorrido. Ninguém sabe se Flávio e Eduardo despacharão em seus gabinetes.

A facção do PSL ligada a Luciano Bivar, presidente do partido, estava disposta a ir para cima dos Bolsonaros.

Continua após a publicidade
Publicidade