Clique e assine a partir de 9,90/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O epitáfio que deveria ser gravado nos túmulos das vítimas (Por Juan Arias

100.000 histórias de dor

Por Juan Arias - Atualizado em 10 ago 2020, 04h48 - Publicado em 10 ago 2020, 12h00

São 100.000 vidas perdidas. 100.000 histórias de dor e milhões de lágrimas derramadas. É um número que assusta, entristece e enluta o país. Basta chorar por elas? Não, porque foi uma tragédia anunciada. O dia de silêncio informativo sobre outros temas, que este jornal quis oferecer aos leitores para dedicá-lo à tragédia, deve ser também um grito contra o poder que poderia ter evitado muitas das mortes e preferiu fechar os olhos. Será a história que julgará o silêncio, se não a cumplicidade com essa matança.

Dessa tragédia ficará tristemente na história a frase do presidente Jair Bolsonaro pronunciada em 27 de abril, quando o número de mortes chegou a 5.017. Indagado sobre o que sentia, respondeu com desprezo: “E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Sou Messias, mas não faço milagre”. A frase deveria ser gravada, como trágico epitáfio, nos 100.000 túmulos das vítimas.

É verdade que o presidente Bolsonaro, cujo nome do meio é Messias, não poderia fazer milagres. Mas poderia ter cumprido seu dever como representante máximo do país. Poderia pelo menos não ter zombado da tragédia chamando-a de “gripezinha”. Poderia ter nos poupado do constrangimento de zombar dos preceitos da medicina e da ciência respeitados nos outros países, em vez de propagandear remédios sem nenhuma garantia científica de eficácia como se fosse um curandeiro de rua.

Poderia ter nos poupado da humilhação de retirar os ministros médicos do Ministério da Saúde, substituídos por um punhado de militares sem experiência no assunto. Em vez de pedir que suas hostes fossem espiar os hospitais onde pessoas estavam morrendo, poderia ter ido pessoalmente consolar as vítimas e seus familiares. Não fez isso.

Os 100.000 mortos de hoje são um atentado do poder contra as vidas que poderiam ter sido salvas e ensombrecem ainda mais a já desgastada imagem do Brasil no exterior.

É possível que Bolsonaro —se não acabar sentado no banco dos réus do Tribunal de Haia acusado de crime contra a humanidade, como tantas vozes, até de especialistas em direito, estão pedindo− queira tentar ser reeleito em 2022. Nesse caso, é possível que as 100.000 vítimas da pandemia, e as que ainda morrerem até lá, apresentem-se nas urnas eleitorais para sussurrar à consciência dos eleitores: “Não, nesse não!”. O Brasil já chorou o suficiente. Precisa, diante de tantas mortes de inocentes e de tanta política suja, de novos ares de ressurreição.

A esperança daqueles que ainda não perderam o senso de justiça e que respeitam o mistério da morte e da dor, própria e alheia, é que essas 100.000 vítimas e aquelas que, infelizmente, ainda virão não tenham sido sacrificadas em vão. Que elas assombrem os sonhos dos vivos que acreditam ser eternos.

(Transcrito do jornal El País)

Continua após a publicidade
Publicidade