Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Governo de colisão

O nós contra eles sob novo disfarce

Por Gustavo Noblat Atualizado em 30 jul 2020, 20h03 - Publicado em 2 jan 2019, 07h00

O fato de ter assumido a presidência da República não torna o capitão Jair Messias Bolsonaro mais preparado para o cargo que o destino lhe reservou. Falta-lhe preparo, e disso se encarregou de provar tudo o que afirmou antes, durante a campanha, e finalmente ontem no Congresso e, depois, no parlatório da Praça dos Três Poderes.

Num lugar como no outro, Bolsonaro deixou escapar a oportunidade de falar para o país e o mundo, se é que um dia de fato a desejou. Ele falou exclusivamente para seus devotos como se ainda estivesse em campanha para presidente.  O discurso no parlatório foi a maior coleção de clichês e de lugares comuns ditos naquele espaço até hoje.

Reclama-se que a oposição, ou parte dela, não compareceu à posse de Bolsonaro. Mas que aceno convincente ele fez aos que não concordam com suas ideias ou divergem em parte delas? Por mais que muitos se empenhem em tentar normalizá-lo, Bolsonaro prega o “nós contra eles” do PT agora sob um novo o disfarce: eles contra nós.

2018 é mais um ano que não acabou como 1968. Por aqui, ele marca a derrota estrondosa da esquerda que não dá sinais de que será capaz de reconstruir-se. O provável é que continue a mesma, limitando-se a apostar no desastre do governo Bolsonaro para tentar reconquistar o poder daqui a quatro anos, ou – quem sabe? – antes disso.

O ano marca também, e pela primeira vez desde o fim da ditadura de 64, a ascensão ao poder da extrema direita. É saudável, sim, que saia de cena o governo de coalisão tal como ele era se apresentava e que resultou em grossa roubalheira. Mas saudável não será que sua vaga seja preenchida por um governo de colisão tal como esse se anuncia.

Pode ser que o exercício do cargo ensine a Bolsonaro o que ele não aprendeu nos 28 anos que passou no Congresso como um anônimo deputado. Seu plano original era candidatar-se a presidente para ajudar a eleição dos seus filhos, se aposentando em seguida. A facada em Juiz de Fora deu novo rumo à sua  vida e à do país.

Continua após a publicidade
Publicidade