Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Noblat Por Coluna O primeiro blog brasileiro com notícias e comentários diários sobre o que acontece na política. No ar desde 2004. Por Ricardo Noblat. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Ah, Moro, se arrependimento matasse…

Quem mandou confiar no capitão?

Por Ricardo Noblat Atualizado em 30 jul 2020, 19h45 - Publicado em 10 Maio 2019, 08h00

Foi só para salvar as aparências que o presidente Jair Bolsonaro saiu ontem à noite a defender a transferência do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) para o Ministério da Justiça e Segurança Pública aos cuidados do ex-juiz Sérgio Moro.

Essa havia sido lá atrás uma das condições de Moro para aceitar o cargo. O Coaf monitora movimentações financeiras suspeitas. Controlá-lo, segundo Moro, seria vital para o sucesso do combate à corrupção e ao crime organizado.

Por Bolsonaro, tudo bem que o Coaf saísse do Ministério da Economia para o de Moro. Mas por maioria de votos, a comissão mista da reforma administrativa no Congresso aprovou a volta do Coaf ao Ministério da Economia. Foi um duro golpe.

Derrota de Bolsonaro? Do governo? O porta-voz da presidência da República declarou que não. Disse que o Congresso é soberano em suas decisões. A derrota, pois, foi de Moro, que se empenhou pessoalmente pelo que lhe foi recusado.

Quem conhece bem Bolsonaro está cansado de saber: ele nunca perde. Ele nunca erra. São os outros que perdem ou erram. Bolsonaro não tem compromisso com ninguém que o cerca (alô, alô generais!). Só tem com os filhos. A família acima de tudo!

Moro coleciona derrotas importantes desde que trocou a toga pelo modelito bem cortado de ministro do capitão. E tudo para ganhar no próximo ano uma vaga de ministro do Supremo Tribunal Federal ou em 2022 a vaga hoje ocupada pelo próprio Bolsonaro.

A derrota de ontem no Congresso ainda poderá ser revertida, mas não será fácil. Nem mesmo a nomeação de Moro para ministro do Supremo será uma tarefa fácil. Ela depende da aprovação no Senado e, ali, poucos gostam de Moro. Não só ali.

A maioria dos deputados federais não gosta de Moro porque veem nele o principal responsável pela demonização da política com a Operação Lava Jato. Até por medo, fazem-lhe mesuras quando o encontram. Pelas costas, falam horrores dele.

Em conversas com auxiliares de confiança, o ex-juiz já reconhece que não deu um bom passo ao se mudar de Curitiba para Brasília e confiar nas promessas que ouviu de Bolsonaro. Mas a essa altura só lhe resta perseverar no caminho que escolheu.

Continua após a publicidade
Publicidade