Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Jô Soares chega ao topo com ‘As Esganadas’

.

 

As Esganadas (Companhia das Letras, 264 páginas, 36 reais), novo romance do humorista Jô Soares, chegou ao topo da lista de livros de ficção mais vendidos, cuja nova edição vai ao ar neste sábado. O livro, lançado no último dia 22 com uma tiragem de 80.000 exemplares, já teve outros 20.000 encomendados pela sua editora, a Companhia das Letras.

Neste retorno à trama policial e ao romance de época – mais especificamente à Era Vargas, pano de fundo de O Homem que Matou Getúlio Vargas (1998) –, Jô fala de um homem obcecado pela figura materna, que ele matou e segue matando em todas as gordas que encontra. Sim, a mãe do serial killer era gorda, palavra que Jô prefere a qualquer outro sinônimo ou eufemismo.

O enredo de As Esganadas é simples e bem amarrado. A história gira em torno de Caronte, o dono da chique funerária Estige. O livro deixa claro desde o começo que ele é o assassino da trama. Assim como o pai, que acabou se matando, Caronte foi sufocado por uma mãe tirana, e passa a vida a se vingar dela. A relação é de amor e ódio, daí o personagem se sentir excitado ao matar jovens gordas com receitas portuguesas herdadas da “genitora lusitana” – o título de duplo sentido do livro se refere à fome voraz das vítimas e ao fato de elas morrerem sufocadas de tanto comer. Mas não há entre criminoso e vítima uma relação exclusivamente erótica – tanto que, antes de optar pela capa final, Jô Soares chegou a vetar uma versão que trazia a ilustração de uma avantajada e sensual pin-up, bastante diferente das quase melancólicas gordas do livro.

Se o leitor sabe logo no início quem é o assassino, resta-lhe o suspense sobre a sua captura. Assim, por quase todo o livro se acompanha um divertido grupo à caça do serial killer: um delegado mal-humorado, seu assistente medroso e débil, uma moderna jornalista da revista O Cruzeiro e um ex-policial português inteligente. Piada pronta, ora pois, o gajo foi até amigo e personagem de Fernando Pessoa – o Esteves sem metafísica de Tabacaria, também tomado emprestado pelo escritor Valter Hugo Mãe para o seu A Máquina de Fazer Espanhóis (Cosac Naify, 256 páginas, 39 reais). É principalmente a partir das aventuras desse grupo, na busca pelo criminoso ou em incursões pela vida civil do Rio de Janeiro de 1938, ano de nascimento de Jô, que se dão as piadas nem sempre hilárias do romance.

Leia mais aqui sobre As Esganadas

Clique aqui para ler um trecho de As Esganadas, novo romance de Jô Soares

 

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    matheus

    O livro tem uma leitura muito leve e gostosa e não cansativa de ler, ao contrário de vários comentários dizendo que a trama não te pretende, prende e te deixa muito curioso pra saber como vão pegar o assassino é muito bom pra ler e relaxar, recomendo.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Wilson

    Muito ruim – chegou ao topo por causa do autor ser o Jô.

    Curtir

  3. Comentado por:

    Lilian Frederico

    Acabei de ler o livro, nao achei tao ruim como algumas criticas aqui escritas. Teve momentos que eu me diverti, dei risada, porem, alguns outros só passei o olho (achei muita chata a parte das descriçoes futebolisticas, por exemplo) e tambem, achei pessima, mas pessima mesmo, a morte do palhaço Rodapé. O Jo Soares é isso que está no livro mesmo…. descrito um pouquinho em cada personagem….vaidoso, egocentrico, gordo, comediante, obsceno…. e por ai vai a trama….

    Curtir

  4. Comentado por:

    Marcelo Dias

    Adoro o Jô, mas a obra é bem fraquinha. Perto de obras como “Vermelho Amargo” de Bartolomeu Campos de Queirós e “Os hungareses” de Suzana Montoro. O novo livro do Jô parece um café só água, sem graça. É mais fácil ele ir para a ABL a escrever um bom livro.

    Curtir

  5. Comentado por:

    Macaco Tião

    gente achei m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o!!! estava sem dormir há duas semanas e resolvi ler o livro ontem de madrugada, resultado:dormi que nem um anjinho!!! não durou nem o chato do primeiro capitulo, peguei logo no sono!é ótimo pra insônia, recomendo! pessoal da classe média leiam este livro é perfeito pra vocês!! além do mais foi escrito pelo gorducho do jô soares: um homem inteligentíssimo, que nem vocês! kkkkkkkkk!!!

    Curtir

  6. Comentado por:

    Edison Santos

    O título AS ESGANADAS é um achado!
    O personagem Calisto é muito bom, principalmente por não ter impressões digitais.
    Os fatos históricos são enriquecedores para a história, mas termina por ai.
    O Detetive português deixa a desejar. Parece uma caricatura bizarra de Cherlock Holmes.
    Quanto a narrativa, fiquei com a impressão que ele escreveu o livro com um dicionário de sinônimos do lado, tamanha as palavras desconhecidas para mim.
    As vezes foge da história principal, como a corrida de baratinhas.
    Muitas coincidências.
    O suicídio de um dos personagens além de maneira bizarra, não faz o menor sentido na história.
    Não ri em nenhum momento, mas isso é raro em livros.
    Ter alcançado a liderança é um mérito do autor e não do artista em si.
    Do contrária a Pizzaria do Faustão estaria na lista dos livros mais vendidos também.

    Curtir

  7. Comentado por:

    Emilson

    Terminei de ler As Esganadas ontem.
    Comprei pelo Submarino, ou seja, esperei ansioso pelo livro.
    Ontem postei o seguinte no Facebook:
    Jô, devolva meu dinheiro ou vomito o que li.
    Obviamente, estou todo vomitado. Sinto-me como as gordas do livro, entalado com textos indigestos e crus, sem nada. A fome literária só cresceu depois deste livro pobre, sem nenhum momento marcante ou personagem.
    O trecho do teatro pareceu-me a parte principal do livro e nessa hora, eu bocejei.
    Caronte, seu filho de uma égua, você merecia uma história melhor, faltou sal nessa sopa de lama… e Tobias, vá procurar emprego como figurante do Zorra Total porque você não convenceu em nada.
    Qualquer episódio do Scooby Doo é mais interessante, tem mais suspense. Lamentável, Jô frescou com a cara de muita gente com essa enganação… sinto-me engasgado com tanta raiva.
    Quantos escritores bons estão por aí no Brasil, se oferecendo pra mostrar os textos à primos, amigos e professores desinteressados, sem a chance de publicar seus livros? O que vale é o que gera dinheiro, claro, mas porque não ter qualidade? Porque ninguém disse ao Jô que aquele final não funcionaria? Perda de tempo e de calorias mentais. Qual é o próximo distúrbio do Jô? Escrever sobre SP e a profunda história do rio Tieté? Considero As Esganadas uma piada de mal gosto do Jô para uma platéia se roendo por dentro.

    Curtir