Clique e assine a partir de 8,90/mês
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

O outro Wilson do PSC que pode ser cassado

Mais um governador do Partido Social Cristão corre risco de perder o mandato. Saiba por que aumentaram as chances de um processo de impeachment no Amazonas

Por Matheus Leitão - Atualizado em 25 jun 2020, 11h20 - Publicado em 24 jun 2020, 14h17

Assim como Wilson Witzel (PSC-RJ), do Rio de Janeiro, o governador do Amazonas, Wilson Lima, também do PSC, está na berlinda. Com rejeição alta, alvo da Polícia Federal e vendo o seu governo sob investigação por suspeita de fraudes em aquisições emergenciais em meio à pandemia da Covid-19, Lima, o outro Wilson, terá que enfrentar a retomada dos trabalhos da CPI da Pandemia nesta quarta-feira, 24.

É que uma decisão da Justiça do Amazonas derrubou liminar que suspendia os andamentos da Comissão Parlamentar de Inquérito, instalada na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas. A CPI apura denúncias de corrupção na Secretaria de Estado da Saúde, que envolvem o uso indevido de recursos públicos no combate ao coronavírus. O governo amazonense é acusado de comprar respiradores inadequados, pagando um valor 300% maior do que a média do mercado.

Como no Rio de Janeiro, que já iniciou um impeachment, a CPI da Pandemia no Amazonas tem potencial para alimentar um processo de impedimento, este contra Wilson Lima. No estado do Amazonas, aliás, já se comenta que parece ser a sina dos dois governadores eleitos pelo partido do pastor Everaldo, que já foi candidato a presidente.

Liberados pela decisão judicial, os depoimentos na CPI local devem começar agora. Entre os nomes esperados para depor está o de Perseverando Garcia Filho, ordenador de despesas da Secretaria da Saúde do Amazonas, que tem ampla participação na contratação de serviços e compra de equipamentos envolvendo a pasta.

Wilson Lima já foi alvo de pelo menos três pedidos de impeachment desde o fim do ano passado envolvendo a gestão da saúde no estado. Um deles – aberto em dezembro de 2019 e arquivado em fevereiro deste ano – já denunciava problemas na secretaria antes mesmo do início da pandemia. Acontece que, com as ações recentes da PF e do Ministério Público no Amazonas, o quadro se agravou.

Enquanto os trabalhos da Comissão se iniciam, o estado sofre com os efeitos da Covid-19, que tem derrubado a popularidade de Wilson Lima e a economia da região. Segundo os últimos dados divulgados pelo Ministério da Saúde, o Amazonas já registrou 65.073 casos confirmados e 2.686 óbitos causados pelo coronavírus. Um impeachment é sempre difícil de acontecer, mas só se torna viável quando a crise política encontra a econômica. Uma realidade que já alcançou os dois Wilsons do PSC.

ASSINE VEJA

Acharam o Queiroz. E perto demais Leia nesta edição: como a prisão do ex-policial pode afetar o destino do governo Bolsonaro e, na cobertura sobre Covid-19, a estabilização do número de mortes no Brasil
Clique e Assine
Continua após a publicidade
Publicidade