Clique e assine com até 92% de desconto
Matheus Leitão Blog de notícias exclusivas e opinião nas áreas de política, direitos humanos e meio ambiente. Jornalista desde 2000, Matheus Leitão é vencedor de prêmios como Esso e Vladimir Herzog

Nos EUA quase 60% estão mais preocupados com a saúde do que com economia

Pesquisa da rede NBC News e do Wall Street Journal mostra que só um terço teme mais a crise econômica. Números são semelhantes aos medidos no Brasil

Por Matheus Leitão Atualizado em 19 abr 2020, 13h11 - Publicado em 19 abr 2020, 12h41

Uma pesquisa da emissora NBC News e do Wall Street Journal revelou que o povo americano está com uma divisão proporcional a que acontece no Brasil no que diz respeito às preocupações com o novo coronavírus. Dos que responderam o levantamento, 58% estão mais preocupados em deter o avanço da Covid-19 enquanto 32% estão mais tensos com o risco de um colapso econômico. 

Lá como aqui há contradições nas respostas dos entrevistados, mostrando o grau de confusão criado por um presidente da República que usa sempre uma dupla mensagem. 

O índice de aprovação do presidente Donald Trump está em 46%, enquanto 44% aprovam a maneira como ele conduz a crise do coronavírus. Apenas 36% dos eleitores, contudo, dizem acreditar no que ele diz sobre o vírus. 

Lá como aqui o presidente está pressionando os governadores a retomar a atividade econômica, tentado jogar sobre eles a responsabilidade dos números negativos na economia. A diferença é que Trump está sendo mais fortemente contido pelas instituições. 

No Brasil, quando perguntados se estão com mais medo da epidemia pela questão do contágio ou em relação aos efeitos na economia, cerca de 49% disseram que é por medo da doença, enquanto 25% afirmaram que é pela economia. Já 24% apontaram que era por ambas as coisas. 

A pesquisa também mostra a polarização política nos EUA em meio à pandemia. O percentual dos que tem mais medo do vírus do que dos efeitos na economia chega a 77% entre os democratas. O número é muito maior do que quando são entrevistados republicanos: apenas 39% está mais preocupada com a Covid-19.

Apesar de continuar discordando do presidente Trump publicamente, o médico Anthony Fauci – à frente Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos EUA – continua no seu posto comandando a força-tarefa americana que enfrenta a pandemia. Aqui, o ex-ministro da Saúde Henrique Mandetta foi demitido.

Na sua última entrevista, Fauci disse que a testagem em massa da população para o coronavírus é importante, mas não é suficiente. É apenas um dos fatores importantes no combate à pandemia.

Continua após a publicidade
Publicidade