Clique e assine a partir de 9,90/mês
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Otávio Brandelli deve ser escolhido como nº 2 do Itamaraty

Gaúcho e especialista em Mercosul, como o futuro chanceler, provável secretário-geral jamais chefiou uma embaixada

Por Denise Chrispim Marin - Atualizado em 5 Dec 2018, 15h53 - Publicado em 4 Dec 2018, 21h59

Se há um posto que os embaixadores veteranos disputam no Itamaraty é o de secretário-geral das Relações Exteriores. Trata-se do cargo de vice-ministro, ocupado historicamente apenas por diplomatas de carreira. Para essa posição, o futuro chanceler Ernesto Araújo deverá anunciar nos próximos dias seu colega Otávio Brandelli.

Brandelli foi promovido a embaixador neste ano. Não será o primeiro a assumir essa cadeira sem antes ter comandado, de fato, uma embaixada. Samuel Pinheiro Guimarães, considerado um dos principais ideólogos da política externa do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ocupou o cargo de 2003 a 2011, como escudeiro do então chanceler Celso Amorim. Araújo, o chanceler de Jair Bolsonaro, tampouco chefiou uma representação do Brasil no exterior.

O provável secretário-geral das Relações Exteriores, de 54 anos, atualmente é diretor do Departamento do Mercosul. Seu último posto no exterior foi em Montevidéu, na missão do Brasil junto à Associação Latino Americana de Integração (Aladi). Assim como Araújo, é gaúcho e tem vasta experiência nas negociações do bloco sul-americano.

Entre os diplomatas, seu nome soou com certo alívio. O diplomata é considerado competente, inteligente e simpático. Embora não haja sinais na Casa de Rio Branco de que compartilhe do mesmo ideário de seu futuro chefe nem tenha feito torcida pelo então candidato Jair Bolsonaro, o risco de uma nova surpresa continua presente.

Publicidade