Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Deputado preso na Papuda foi o único a ir à Câmara hoje

Condenado a 7 anos e 2 meses de prisão pelo STF, Celso Jacob tem autorização judicial para trabalhar na Casa durante os períodos da manhã e da tarde

Por Da redação 30 jun 2017, 16h14

Na primeira vez em que deixou o presídio da Papuda, em Brasília, para trabalhar na Câmara dos Deputados, o deputado federal Celso Jacob (PMDB-RJ) perdeu a viagem. Ele foi o único parlamentar a registrar presença na sessão prevista para as 9h de hoje na Casa, que acabou encerrada por volta das 9h30 por falta de quórum. O Regimento Interno da Câmara prevê que as sessões só podem ser iniciadas no plenário com o mínimo de 51 deputados.

Jacob foi condenado a sete anos e dois meses de prisão em regime semiaberto pelo Supremo Tribunal Federal (STF) pelos crimes de falsificação de documento público e dispensa indevida de licitação para construção de creche quando era prefeito do município de Três Rios (RJ), em 2002.

Como ele não teve o mandato cassado, o juiz Valter André Bueno de Araújo autorizou na última terça-feira o parlamentar trabalhar na Câmara nos períodos da manhã e da tarde. Ele deve voltar à Papuda à noite, em finais de semana, feriados e recesso parlamentar.

Com o cancelamento da sessão de hoje, não começou a contar o prazo de dez sessões plenárias para que o presidente Michel Temer (PMDB) apresente aos deputados sua defesa na denúncia feita contra ele pela Procuradoria-Geral da República. A Câmara notificou ontem o presidente a respeito da denúncia, lida no plenário pela deputada Mariana Carvalho (PSDB-RO), segunda-secretária da Mesa Diretora da Casa.

Continua após a publicidade
Publicidade