Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Maquiavel Por Coluna A política e seus bastidores. Informações sobre Planalto, Congresso, Justiça e escândalos de corrupção. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Após duas quedas, número de mortes violentas volta a crescer no Brasil

Segundo dados do Anuário Brasileiro de Segurança Pública, o total de vítimas subiu de 47.742 para 50.033 entre 2019 e 2020; homicídios dolosos puxaram alta

Por Caíque Alencar 15 jul 2021, 09h59

Após dois anos consecutivos de queda, o número de mortes violentas intencionais voltou a crescer no Brasil, segundo dados do Anuário Brasileiro da Segurança Pública divulgado nesta quinta-feira, 15. Os dados incluem homicídio doloso, latrocínio, lesão corporal seguida de morte e mortes decorrentes de operação policial.

Em números absolutos, o total de mortes violentas subiu de 47.742 em 2019 para 50.033. Na comparação proporcional, a taxa por 100 mil habitantes subiu de 22,7 para 23,6.

Os homicídios dolosos foram os responsáveis por puxar para cima os registros. De 2019 para 2020, o número saltou de 39.700 para 42.105. Já os latrocínios e lesões corporais seguidas de morte tiveram queda de 1.586 para 1.428 e de 758 para 672, respectivamente.

Ainda de acordo com o levantamento, elaborado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, 78% das vítimas de 2020 foram mortas por meio de uso de arma de fogo. Na análise do perfil das mortes, é possível observar que 76,2% das vítimas são negras, 54,3% são jovens e 91,3% são homens.

Mortes pela polícia

A letalidade policial em 2020 também teve alta, ainda que pequena. No ano passado, os registros foram 6.416, enquanto em 2019 o número foi 6.351. Nesses casos, 78,9% das vítimas eram negros, 76,2% eram jovens de 12 a 29 anos e 98,4% eram homens. Dos mais de 5.500 municípios brasileiros, 50 deles concentram 55,8% de toda a letalidade da polícia.

Continua após a publicidade
Publicidade