Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Ciclo menstrual: a importância de se conhecer

É preciso deixar de relacionar menstruação a dor, sofrimento, vergonha e utilizar esse ciclo como ferramenta para se conhecer melhor e mais profundamente

Tive a sorte de ter filhas curiosas sobre as questões do corpo e da vida, sendo médica, ainda mais ginecologista, imaginei que sabia muito, mas desde que as minhas meninas menstruaram pela primeira vez tive que me aprimorar bastante. Entender e conhecer melhor sobre as mazelas do corpo feminino e como ele se relaciona com estes ciclos que hora o equilibram, mas, se não compreendidos corretamente, podem complicar a vida!

O que é a menstruação?

Vamos lá! Mensalmente o útero, mais especificamente uma camada de tecido que recobre a cavidade uterina chamado endométrio, através da ação estrógeno (hormônio feminino), cresce e se espessa, preparando-se para receber o embrião fecundado. Se não ocorre a gravidez, estes hormônios diminuem e este tecido endometrial descama e é expelido junto com alguma quantidade de sangue (30-50ml), a menstruação. Para ser considerada normal, ela deve durar entre 3 e 5 dias e não deve causar dor ou incômodos fortes.

Nossas meninas precisam deixar de relacionar menstruação a dor, sofrimento, vergonha… que a menstruação significa o final de um ciclo concluído em nós e em nossas vidas. É importante nos conectarmos mais a esta ciclicidade e a nós mesmas, termos respeito aos tempos de vida, de morte, de renascimento; e que nada tem a ver com datas, calendários, números ou padrões pré estabelecidos.

Não existe um ciclo certo ou errado e nem um ciclo melhor do que o outro, precisamos crer que nosso corpo é sábio e ele nos trará sinais, mensagens a respeito do que estamos vivendo a um nível mais profundo. Utilizando o ciclo menstrual como ferramenta para se conhecer e se situar com mais consciência na verdade que se manifesta em nós mulheres.

Conhecer o ciclo menstrual é fundamental

Pois bem, então vamos lá. Contando os dias, o primeiro dia de menstruação marca o início de um novo ciclo que irá até o último dia antes da próxima menstruação. O dividimos em primeira fase, ou estrogênica, aonde há indução da ovulação que ocorre por um aumento abrupto e importante dos níveis de LH, hormônio produzido na hipófise que estimula o ovário liberar o óvulo, que ocorre cerca de 14 dias antes da menstruação.

Nesta fase, existem modificações perceptíveis como aumento da temperatura corporal entre 0,2 a 0,5 graus Celsius e, mudança no aspecto da secreção vaginal, que se torna transparente e espessa, como um muco ou gelatina. Isso serve para que os espermatozoides “subam” com mais facilidade em direção às trompas, onde mais comumente ocorre a fecundação.

Neste momento, você pode observar a fundo quais características ocorrem no seu pico de fertilidade. Sugiro que faça isso por três meses observando se sua secreção vaginal muda realmente, como ficam suas mamas e sua vagina. Se você fica extrovertida, comunicativa e positiva durante sua ovulação.

Por fim, temos a segunda fase do ciclo menstrual, ou progestogênica, quando ficamos sob efeito da progesterona, hormônio feminino produzido pelo ovário após a ovulação. Ele dura, em média, 12 dias e quando a fecundação não acontece, o folículo vai encolhendo dentro do ovário e os níveis de estrogênio e progesterona vão diminuindo até que o revestimento do útero seja eliminado, dando início à menstruação e ao próximo ciclo menstrual.

E um novo ciclo se inicia….

Marianne Pinotti

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde, psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Paulo Hoff, oncologista
Paulo Zogaib, medico do esporte
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil, cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista
Sergio Simon, oncologista

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s