Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A nova epidemia da aids

A disseminação da doença é alarmante em alguns continentes, como parte da África, Ásia, Europa, América Latina e Caribe

A aids foi reconhecida entre homossexuais masculinos nos Estados Unidos, em 1981. Após três décadas, tornou-se a pior epidemia do século XX, matando mais de 35 milhões de pessoas. Estudos moleculares filogenéticos indicam que o HIV estava presente na África, em populações localizadas, desde o início de 1900.

O otimismo inicial que se seguiu após a descoberta do HIV, o desenvolvimento de testes diagnósticos, a profilaxia das infecções oportunísticas, a identificação da eficácia das drogas antivirais e a prevenção da transmissão materno-fetal têm-se contraposto à magnitude da pandemia mundial. A disseminação continuada em novas áreas e a consolidação em vários outros locais culminam em um cenário desalentador.

A disseminação da doença é alarmante em alguns continentes, especialmente na África Sub-Sahariana, no sudeste da Ásia e continua expressiva no leste da Europa, América Latina e Caribe.

No final de 2015, as estatísticas relatadas eram as seguintes:

  •  36,7 milhões de crianças e adultos vivendo com HIV/aids
  • 2,1 milhões novos infectados em 2015
  • 1,1 milhão de mortos em 2015
  • 3,3 milhões de crianças vivendo com HIV/aids

Na América Latina estima-se que 2 milhões de pessoas estejam contaminadas, dessas, 3/4 estão no Brasil, Colômbia, México e Venezuela. Na Jamaica, avalia-se que 30% dos homens que fazem sexo com homens estejam infectados.

Transmissão

As principais formas de transmissão são a sexual, a parenteral, especialmente, em usuários de drogas ilícitas, e a perinatal. Em alguns lugares do mundo, a despeito do acesso ao diagnóstico e a medicamentos, cada vez mais efetivos, a população de homens que fazem sexo com homens é 19 vezes mais infectada, quando comparada a outros grupos de pacientes contaminados pelo HIV. Nos EUA, 68% dos novos casos encontram-se nessa condição.

Terapia antirretroviral

A introdução da terapia antirretroviral impactou na epidemiologia do HIV, não só no aumento e na melhor qualidade de vida, como na diminuição da transmissão, pela menor circulação do vírus, evitando novas contaminações. Até o final de 2015, o tratamento beneficiou mais de 17 milhões de pessoas em todo o mundo.

Desafios

Mas, os desafios ainda são inúmeros, alguns transformando-se em metas até 2020, segundo os órgãos mundiais de saúde. Os três principais são:

  • 90% das pessoas vivendo com HIV conhecerão sua condição de soro-positivos
  • 90% das pessoas diagnosticadas receberão terapêutica antirretroviral
  • 90% das pessoas recebendo a terapêutica antirretroviral terão supressão viral

Na verdade, o que pesquisadores, profissionais da saúde e pacientes anseiam é a incorporação de uma vacina, a prevenção e a descoberta de novos medicamentos mais eficazes, com menos efeitos adversos, para todos.

 

(Lailson Santos/VEJA)

 

Quem faz Letra de Médico

Adilson Costa, dermatologista
Adriana Vilarinho, dermatologista
Ana Claudia Arantes, geriatra
Antonio Carlos do Nascimento, endocrinologista
Antônio Frasson, mastologista
Artur Timerman, infectologista
Arthur Cukiert, neurologista
Ben-Hur Ferraz Neto, cirurgião
Bernardo Garicochea, oncologista
Claudia Cozer Kalil, endocrinologista
Claudio Lottenberg, oftalmologista
Daniel Magnoni, nutrólogo
David Uip, infectologista
Edson Borges, especialista em reprodução assistida
Fernando Maluf, oncologista
Freddy Eliaschewitz, endocrinologista
Jardis Volpi, dermatologista
José Alexandre Crippa, psiquiatra
Ludhmila Hajjar, intensivista
Luiz Rohde,
psiquiatra
Luiz Kowalski, oncologista
Marcus Vinicius Bolivar Malachias, cardiologista
Marianne Pinotti, ginecologista
Mauro Fisberg, pediatra
Miguel Srougi, urologista
Paulo Hoff, oncologista
Paulo Zogaib, medico do esporte
Raul Cutait, cirurgião
Roberto Kalil – cardiologista
Ronaldo Laranjeira, psiquiatra
Salmo Raskin, geneticista
Sergio Podgaec, ginecologista
Sergio Simon, oncologista

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Oldoni Cordeiro

    Veja, a matéria parece gozar de extrema falta de embasamento visto pelas estatisticas equivocadas apresentadas. É de extrema importância a revisão de toda a matéria. Segundo a matéria temos 2 milhoes de contaminados na america latina, sendo 2/3 no brasil. Segundo a unaids.org.br/estatisticas/, temos 830.000. De onde tiraram a informação que homens que fazem sexo com homens são 19 vezes mais contaminados? Só pra exemplificar….

    Curtir

  2. Alex Sandro Silva

    Na População Homossexual, cerca de 10,5% dela está contaminada. Isto é, a cada 10, 1 homossexual está infectado, logo, o sexo homo virou uma “roleta” russa, é morte quase certa.
    Fonte: Unaids, em 15/09/2016.

    Curtir

  3. Antônio de Oliveira Marques

    Homossexualismo é tragédia social.

    Curtir

  4. Dhiego Borges

    Quando vc vai em um Centro de doação de Sangue, se vc for homo vc não doa, se vc for hetero não casado vc tambem não doa se tiver tido relações com mais de uma parceira. O risco é o mesmo pra ambos, inicou com homossexuais porque no inicio da epidemia camisinha era usada por heetros apenas para não ter filhos. Isso de certa forma os protegeu, mas agora é qualquer um. Vejo comentarios maldosos aqui, pessoas ignorantes que precisam se tornar seres humanos melhores, hj são eles, amanha pode ser vcs que estarao infectados, tenham vergonha de si proprios e parem desses comentarios.

    Curtir

  5. Sgto Prudencio

    Coma a ciência está tendenciosa, essa ciência fascista homofóbica.. Tinha que proibir divulgar esses dados e fazer igual o Diego Borges disse, vai la ver nos centros de coleta der sangue, não existe isso não… Fake ciencias!

    Curtir

  6. Alexandre Setúbal

    David Uip como de costume se esforçando para associar ao máximo a doença à homossexualidade. Esqueceu apenas de dizer que a maioria dos infectados no mundo são HETEROSSEXUAIS.

    Curtir

  7. Alexandre Setúbal

    Muitas mentiras como de costume, tanto na matéria quanto nos comentários. Façamos as contas: cerca de 10 % da população mundial é de homossexuais. O Brasil tem 200 milhões de habitantes, logo tem 20 milhões de homossexuais. Como o Brasil tem atualmente 830 mil pessoas infectadas com o HIV, é impossível que 10% dos homossexuais estejam infectados, até porque a maior parte dos 830 mil brasileiros infectados são heterossexuais! Senhor David Uip, pare de usar esse espaço para difundir preconceitos que está feio!

    Curtir

  8. Tadeu Passarelli

    quem foi que reclamou quando chamaram de “peste gay”???

    Curtir