Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
José Casado Por José Casado Informação e análise

Denúncias de tentativas de suborno, a nova rotina na Câmara

Deputada relata oferta de emendas no orçamento em troca de apoio à Reforma da Previdência e deputado diz ter recusado R$ 500 mil de indústria de bebidas

Por José Casado Atualizado em 10 jun 2021, 11h01 - Publicado em 10 jun 2021, 09h00

Aconteceu ontem na Comissão de Educação, durante audiência do ministro da Educação, Milton Ribeiro. A deputada Rosa Neide de Almeida, do PT do Mato Grosso, pediu para falar, elogiou a cordialidade de Ribeiro fez uma denúncia contra o antecessor dele no ministério.

“Eu estive no MEC quando era outro ministro” — disse — “e quero afirmar que o senhor realmente representa a boa educação, o polimento, o respeito a essa comissão, coisa que não tivemos. Fui testemunha de quando o deputado [João Carlos] Bacelar foi ameaçado pelo ministro (Abraham) Weintraub. Já passamos por situações muito tristes no Ministério da Educação.”

LEIA TAMBÉM: Enem 2021 é marcado para os dias 21 e 28 de novembro

Surpreendeu o plenário: “O ministro [Weintraub] também se dirigiu a mim. Perguntou se eu aceitaria emendas parlamentares para votar a favor da reforma previdenciária.”

O projeto de Reforma da Previdência começou a avançar no Congresso durante o governo Michel Temer. Bolsonaro assumiu e, 50 dias depois, apresentou uma proposta alternativa, mantendo a essência da emenda constitucional de Temer.

Continua após a publicidade

Em agosto de 2019, a Câmara aprovou o texto-base em segundo turno, por maioria de 370 votos, com 124 contra e uma abstenção. Foi uma vitória expressiva, com apoio de 75% dos deputados presentes. Em outubro, o Senado realizou a votação final, com idêntica taxa de aprovação (75).

Até ontem, não existiam relatos sobre ministros do governo Bolsonaro promovendo suborno de deputados ou senadores para votar a favor da reforma da Previdência. A deputada Rosa Neide de Almeida, pedagoga e ex-secretária de Educação do Mato Grosso, foi a primeira a dar testemunho público.

Dias atrás, o deputado Eurico da Silva, pernambucano do partido governista Patriota, relatou um outro caso no plenário da comissão especial da Câmara que analisava a regulamentação do uso de medicamentos à base de maconha, aprovado ontem.

Comerciante e pastor da Assembleia de Deus, ele contou o seguinte: “Eu, o [deputado] Osmar Terra (MDB-RS) e o [ex-deputado] Givaldo Carimbão (MDB-AL), queríamos colocar uma advertência nos rótulos de bebidas sobre os malefícios do álcool. Fomos chamados para uma reunião com uma empresa de bebidas, que ofereceu R$ 500 mil a cada um de nós, para ficarmos calados. Nós dissemos que não, que não nos dobraríamos a isso, mas nós perdemos lá no plenário [da Câmara]. Mas ouvi dizer que eles gastaram R$ 2 milhões. E não foi comigo. Foi com alguns parlamentares”.

Está virando rotina a denúncia de tentativas de suborno na Câmara.

+ Um furto de R$ 4 desnuda a crise do Judiciário

Continua após a publicidade
Publicidade