Clique e assine com 88% de desconto
Isabela Boscov Por Coluna Está sendo lançado, saiu faz tempo? É clássico, é curiosidade? Tanto faz: se passa em alguma tela, está valendo comentar. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

‘O Preço da Verdade’ encena um desastre ecológico de impacto global

Filme de Todd Haynes narra com brilho a história do advogado corporativo que mudou de lado e revelou um escândalo de saúde pública

Por Isabela Boscov - Atualizado em 14 fev 2020, 10h43 - Publicado em 14 fev 2020, 06h00

Na paisagem cinzenta de inverno, Wilbur Tennant (Bill Camp) mostra ao advogado Rob Bilott (Mark Ruffalo) o saldo da contaminação misteriosa que atingiu sua fazenda: uma centena de covas imensas, uma ao lado da outra, nas quais ele enterrou suas vacas como se fossem pessoas queridas, até não mais conseguir dar conta de tantas mortes e passar a queimar os animais. Cento e noventa cabeças perdidas — todo o rebanho, toda a fonte de renda da família, todo o trabalho de décadas. Apesar do título nacional genérico, O Preço da Verdade (Dark Waters, Estados Unidos, 2019), já em cartaz no país, é um filme devotado às minúcias e particularidades de sua história, do local em que ela ocorre e das pessoas que a protagonizam: o fazendeiro que é o primeiro em sua cidadezinha da Virgínia Ocidental a se levantar contra o gigante DuPont, que emprega todos ali, e por isso começa a ser tratado como inimigo público; o advogado que foi criado no lugarejo mas esconde as raízes caipiras na firma de Cincinnati da qual se tornou sócio; os executivos da indústria química que se congratulam uns aos outros em jantares formais nos quais o serviço é ainda, em 1998, feito por negros; as mulheres que abandonaram a carreira para cuidar dos filhos e agora se ressentem das cruzadas dos maridos — e a maneira como esses caldos se fermentaram mutuamente durante a maior parte de duas décadas, em ações legais que prosseguem e continuam repercutindo.

Baseado em um artigo de 2016 do jornal The New York Times intitulado “O advogado que virou o pior pesadelo da DuPont”, O Preço da Verdade pode até passar por um exemplar robusto do gênero da ecodenúncia — e não deixa de sê-lo, uma vez que são de arrepiar os cabelos a clareza e o detalhe com que ele narra como a queixa do fazendeiro Wilbur Tennant provou ser apenas o início de um dos casos mais escandalosos de desastre ambiental e de saúde pública já noticiados, e também de má-fé e empáfia corporativa. Mas o papel quase solitário de Rob Bilott no episódio e a abnegação com que Mark Ruffalo o interpreta elevam o resultado bem além de uma daquelas histórias de pequenos contra grandes. O que mais surpreende, porém, é a circunspeção com que o diretor Todd Haynes conduz a trama. Conhecido por melodramas de época como Longe do Paraíso, Mildred Pierce e Carol, ele aqui submete seu estilo exuberante à austeridade do tema, sem se furtar a oferecer aqueles painéis de costumes repletos de pormenores — como na relação de Bilott com sua mulher, vivida com inteligência por Anne Hathaway.

+ Compre o livro baseado no filme na Amazon
+ Compre o livro Nossa casa está em chamas: Ninguém é pequeno demais para fazer a diferença na Amazon
+ Compre o livro A Poluição dos Mares na Amazon

O próprio Bilott é um personagem que existe nesses pormenores. Um advogado experiente na defesa de indústrias químicas, ele foi visitar Tennant apenas para satisfazer um pedido de sua avó, que conhecia o fazendeiro e estava condoída dele. Mesmo quando viu as evidências coletadas por Tennant — a dentadura enegrecida das vacas, a perda de peso dramática, os tumores extirpados delas, os relatos de loucura na fase terminal —, continuou cético. Mas também ele se condoeu do fazendeiro, e a mesma consideração que o fizera atender a avó o moveu a investigar mais.

O que Bilott encontra, depois de mudar de lado e laboriosamente juntar um indício a outro, pesquisar mais um tanto, ouvir esta ou aquela pessoa e, sobretudo, abrir os olhos para o que está muito à vista na pequena Parkersburg, é um pesadelo, ao qual se soma outro — o de achar um caminho pelo qual responsabilizar uma grande corporação cujos bolsos não têm fundo e que conta ainda com a mãozinha da legislação autorregulatória. Lá pelo meio do filme, a pressão incalculável fez de Bilott um trapo. E já ficou claro também que não pode haver final feliz. Eis, aliás, o mais assustador: quanto essa história, assim como outras que ainda não se conhecem, está longe de acabar.

Publicidade

Publicado em VEJA de 19 de fevereiro de 2020, edição nº 2674

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR


Exposure

Nossa casa está em chamas: Ninguém é pequeno demais para fazer a diferença

A Poluição dos Mares

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Publicidade