Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Isabela Boscov Por Coluna Está sendo lançado, saiu faz tempo? É clássico, é curiosidade? Tanto faz: se passa em alguma tela, está valendo comentar. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O embate frustrante de Ridley Scott em ‘O Último Duelo’

Diretor recria um episódio do século XIV com produção impecável e pretensão a um #MeToo medieval. Mas o verdadeiro combate, aqui, é de canastrice

Por Isabela Boscov Atualizado em 14 out 2021, 19h49 - Publicado em 15 out 2021, 06h00

Na exigência dedicada à produção, Ridley Scott costuma ser intransigente. Para O Último Duelo (The Last Duel, Inglaterra/Estados Unidos, 2021), já em cartaz nos cinemas, ele escolheu como locação algumas das edificações medievais mais impressionantes das regiões francesas da Borgonha e da Dordonha — esta, a fronteira entre os domínios da Inglaterra e França na época da Guerra dos 100 Anos (1337-1453), em que se passa a trama. Erguidos entre os séculos X e XII, os castelos de Beynac, Fénelon e Berzé são exemplares particularmente bem preservados da arquitetura maciça e severa do período — uma fidelidade que se completa nos figurinos de Janty Yates, que trabalhou com Scott em Gladiador, Cruzada e Robin Hood, na decoração de set de Judy Farr, veterana de Downton Abbey e A Coroa Vazia, no desenho de produção de Arthur Max, colaborador de longa data do diretor, e na fotografia primorosamente lúgubre e austera do polonês Dariusz Wolski.

Ridley Scott: A Biography

Matt Damon, com quem Scott fez Perdido em Marte, vive Jean de Carrouges, guerreiro que, em razão dos modos bruscos e da mania de acusar qualquer menosprezo à sua pessoa (e, talvez, por causa do péssimo penteado), nunca encontra favor com seu senhor, o libertino conde d’Alençon (Ben Affleck). Nesse quesito, quem se sai bem é Jacques Le Gris (Adam Driver), irmão de armas de Carrouges. Corroída aos poucos, a amizade vira ódio quando Le Gris afana uma propriedade que iria para Carrouges no casamento com Marguerite de Thibouville (Jodie Comer) — e, então, com a acusação de Marguerite de que Le Gris a estuprou. Le Gris nega, Marguerite insiste, e Carrouges pede que a questão seja decidida em duelo. Não daqueles encontros ao amanhecer entre cavalheiros, mas uma justa com cavalos, lanças e machados.

A Guerra Dos Cem Anos

À maneira de Akira Kurosawa em Rashomon, Scott encena a versão de cada um dos três envolvidos (Affleck, Damon e Nicole Holofcener dividiram o roteiro entre si). Ao contrário de Kurosawa, porém, resulta repetitivo e converte em óbvio o que deveria ser subjetivo. Jodie Comer se safa, mas Damon e Driver se enfrentam mesmo é na canastrice (secundados, naturalmente, por Affleck). Rígido, desajeitado e pomposo, este Duelo range, na tela, mais que armadura enferrujada.

Publicado em VEJA de 20 de outubro de 2021, edição nº 2760

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Ridley Scott: A Biography
Ridley Scott: A Biography
A Guerra dos Cem Anos
A Guerra Dos Cem Anos

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade

Publicidade