Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Isabela Boscov Por Coluna Está sendo lançado, saiu faz tempo? É clássico, é curiosidade? Tanto faz: se passa em alguma tela, está valendo comentar. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Puro malte

Em A Parte dos Anjos, de Ken Loach, um delinquente escocês prova uísque pela primeira vez - e vê a luz

Por Isabela Boscov Atualizado em 28 fev 2020, 18h35 - Publicado em 3 mar 2013, 18h26

A vida de Robbie, o protagonista de A Parte dos Anjos, foi sempre só feiura. Mas, quase ao mesmo tempo, ela passa a incluir duas coisas de beleza ofuscante: o primeiro filho – e o uísque escocês. Robbie (Paul Brannigan) é levado a uma destilaria, junto com outros delinquentes de Glasgow, por um assistente social de bom coração (o encantador John Henshaw). A trupe de marginais inclui, além do pavio-curto Robbie, a mão-leve Mo (Jasmin Riggins), o gigante gentil Rhino (William Ruane) e o burríssimo Albert (Gary Maitland), que, não obstante ter metade das lâmpadas queimada, está sujeito a lampejos de genialidade quando alguma das outras se acende. Iniciados nos mistérios da bebida pela guia da destilaria, uma loirinha animada, esses filhos dos cortiços se sentem adultos e civilizados quando estão com um copo na mão, treinando-se para identificar aromas e distinguir entre a coloração do carvalho europeu e a do americano. Para Robbie, o exercício vira paixão: ele se descobre um provador nato. E, nesse dom, vê a porta pela qual poderá sair de sua vida de violência e frustração e tornar-se um bom namorado e um bom pai. Antes, porém, ele terá de se esgueirar por um labirinto de divertidas e coloridas complicações envolvendo um uísque raríssimo, um leilão milionário, quatro kilts arranjados às pressas e alguma racionalização: se todos os anos um tantinho do uísque nos tonéis sobe mesmo aos céus (“a parte dos anjos” é o jargão para a perda natural por evaporação), que mal pode haver em apressar um pouco esse processo?

A Parte dos Anjos
Imovision/Divulgação

As circunstâncias de Robbie e seus amigos são tão desesperadoras quanto as de qualquer outro personagem retratado pelo diretor Ken Loach em suas quase cinco décadas de carreira, todas dedicadas ao exame sincero, repleto de empatia, da injustiça social. Mas, assim como em À Procura de Eric, de 2009, Loach encontra aqui uma veia brejeira pela qual narrar tantas desventuras. Da cena inicial, em que se vê como o estuporado Albert foi parar diante do juiz, à volta triunfante dos amigos a Glasgow, na qual dois policiais os submetem a uma revista indecorosamente detalhada, Loach ora brinca com a tradição inglesa do filme de golpe, ora faz comédia pura e simples. O que o autoriza a essa leveza é o fato de que Robbie tem o que a maioria dos seus personagens não tem: alguém que acredita nele o bastante para dar-lhe uma chance, e algo em que ele próprio acredita. Não por acaso esse algo é o uísque, que até a visita à destilaria ele nunca havia provado. Indivíduos desenraizados do lugar onde vivem têm muito menos chances de florescer, pondera o diretor. E se para regar um germe de redenção é preciso virar um copo (ou algumas garrafas) para o santo, que seja: um milagre não tem preço.

Publicado originalmente na revista VEJA em 03 de março de 2013


Trailer

A PARTE DOS ANJOS
(The Angels’ Share)
Inglaterra/França/Bélgica/Itália, 2012
Direção: Ken Loach
Com Paul Brannigan, John Henshaw, William Ruane, Jasmin Riggins, Gary Maitland
Distribuição: Imovision
Continua após a publicidade

Publicidade