Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Violência nas escolas e o mito do brasileiro cordial

Tudo indica que a ideia do brasileiro cordial nunca passou de uma leitura equivocada da realidade. Na verdade, nossa sociedade sempre foi bastante violenta.

A cada dia surgem novos relatos a respeito de cenas de violência nas escolas, e esta frequentemente está associada ao uso de armas, ingestão de drogas ou bebidas alcoólicas.

São também cada vez mais frequentes os relatos sobre aumento do número de professores e diretores agredidos.

Em um questionário aplicado pelo MEC em todo o país, 3% dos diretores de escolas públicas afirmaram que alunos frequentaram a escola portando arma de fogo.

Quando perguntados se já haviam sido ameaçados por algum aluno, 10% dos diretores responderam que sim, e 3% disseram já terem sido vítimas de “atentado à vida”.

Dentre os diretores ouvidos, 18% reportaram que alunos frequentaram a escola sob efeito de drogas e 10% sob efeito de bebida alcoólica.

Violência entre alunos é mais comum, mas menos reportada. O fato é que, onde ainda não virou parte do cotidiano, a violência nas escolas tornou-se um evento de alta probabilidade.

Tudo indica que a ideia do “brasileiro cordial” nunca passou de uma leitura equivocada da realidade – na verdade, nossa sociedade sempre foi bastante violenta. Violenta em pensamentos, palavras e ações – com intervalos de maior contenção ou repressão.

O novo, nessa história, é a entrada da violência em locais antes considerados como “sagrados”. A palavra sagrado significa separado, protegido, respeitado. A escola foi dessacralizada. E ela não está sozinha – praticamente nem os lugares mais sagrados como a família, os monumentos ou mesmo os templos religiosos têm sido poupados. E, ao que tudo indica, não se trata de uma “onda” passageira.  Mas, parafraseando Tolstoy, cada desgraça tem sua história peculiar.

A dessacralização da escola – especialmente no Brasil – vem ocorrendo há pelo menos quatro ou cinco décadas. Ivan Illich terá dado sua contribuição – ao denunciar os perigos da escola e promover o conceito de “desescolarização”. Paulo Freire também, ao introduzir a ideia da “pedagogia bancária”, a ideia de que o currículo seria como uma dívida bancária a ser quitada mediante provas escolares.

Os professores – antes tratados com respeito e reverência – primeiro passaram a ser chamados de “tia”, depois de “você”, e aos poucos perderam ou abdicaram de sua autoridade de mestre para receber o título de “facilitadores”.

O diretor deixou de ser o grão-mestre e representante da autoridade e passou a ser representante eleito pela comunidade.

De sujeito de deveres, o aluno passou a ser “portador de direitos” – e, acima de tudo, ele precisa “ser feliz”.

A escola perdeu ou abdicou do seu dever de disciplinar – tanto no sentido comportamental quanto no sentido de ensinar as disciplinas. Saudosismo?  Conservadorismo?

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Mesma coisa de perguntar a policiais se bandidos são mais violentos que parecem. Pesquisa completamente viciada.

    Curtir

  2. Excelente artigo. Hoje a familia nao educa, a escola desvitua e.a policia ainda tem que dar conta depois desses marginais sem o respaldo.da justica.

    Curtir