Clique e assine a partir de 9,90/mês
Dúvidas Universais Por Duda Teixeira Os fatos internacionais que desafiam a lógica e o bom-senso explicados de maneira clara e atraente. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Dá para ser budista e terrorista ao mesmo tempo?

  O primeiro e mais importante princípio de todo budista é abster-me de matar seres vivos. Muitos levam esse mandamento tão a sério que se tornam vegetarianos. Mas, em Mianmar, antiga Birmânia, o monge Ashin Wirathu, do grupo 969,  prega abertamente a violência contra muçulmanos. Duas centenas de pessoas já morreram nos conflitos desde 2013. Como explicar que […]

Por Duda Teixeira - Atualizado em 9 fev 2017, 12h33 - Publicado em 24 fev 2016, 15h38
Myanmar’s radical Buddhist monk Ashin Wirathu attends a media briefing in Colombo, Sri Lanka, Tuesday, Sept. 30, 2014. Wirathu, known for his anti-Muslim campaign, has formalized an agreement with a like-minded Sri Lankan Bodu Bala Sena or Buddhist Power Force to work together to protect Buddhism which he says is challenged worldwide. (AP Photo/Eranga Jayawardena)

O monge budista radical Ashin Wirathu, de Mianmar, que prega contra muçulmanos e provocou já provocou centenas de mortes. Crédito: Eranga Jayawardena / AP Photo

 

O primeiro e mais importante princípio de todo budista é abster-me de matar seres vivos. Muitos levam esse mandamento tão a sério que se tornam vegetarianos. Mas, em Mianmar, antiga Birmânia, o monge Ashin Wirathu, do grupo 969,  prega abertamente a violência contra muçulmanos. Duas centenas de pessoas já morreram nos conflitos desde 2013. Como explicar que uma religião que prega a não-violência estimule a morte de indivíduos de outras crenças?

Ao longo dos séculos, pensadores budistas fizeram vários malabarismos intelectuais para justificar as agressões de seus colegas. Um dos mais recorrentes é usar o argumento da legítima defesa. Wirathu nunca manda seus seguidores atacarem muçulmanos. O que ele pede é para eles defenderem a raça, as pessoas e o país (Wirathu é um lesado. Segundo ele, uma maioria muçulmana quer destruir Mianmar com a ajuda dos países árabes. Na realidade, os muçulmanos são apenas 4% da população).

Continua após a publicidade

Outra prática comum é a de desumanizar os inimigos. Na crônica Mahavamsa, do século II, o rei budista Dutthagamani fez uma guerra santa contra invasores estrangeiros liderados pelo rei tamil Eara, atual Índia. Um monge o consolou dizendo que a morte de infiéis do mal não constituiria assassinato, uma vez que os guerreiros tamis não eram nem meritórios, nem budistas. A morte deles então não deveria carregar mais peso que a de animais.

Na definição mais básica, terrorismo é quando um grupo mata inocentes e espalha o medo em uma sociedade com o objetivo de alcançar um fim político. Os budistas radicais de Mianmar encaixam-se nessa categoria, embora não tenham algumas características normalmente ligadas ao terrorismo. Eles não fazem parte de uma minoria e contam com a proteção das autoridades locais.

“Muitas pessoas no Ocidente também têm dificuldade de pensar que budistas podem ser terroristas porque associam o budismo com meditação, tranquilidade e paz. Essas ideias estão em desacordo com o conceito ocidental de terrorismo”, diz o filósofo americano Michael Jerryson, autor dos livros Buddhist Fury e Buddhist Warfare (sem tradução para o português).

A disparidade de visões dentro do budismo é uma consequência de sua evolução histórica. As vertentes praticadas no Sudeste Asiático são formadas principalmente por homens que nasceram budistas e que valorizam principalmente os rituais, a disciplina e a vida monástica. Na escola Theravada, a mais antiga, divagações metafísicas, filosóficas e éticas são menos relevantes. Já o budismo ocidental, que chegou à Europa e aos Estados Unidos no final do século XIX, é quase todo o oposto. Seus fiéis são, em sua maioria, pessoas que se converteram, incluindo muitas mulheres, que interpretaram as escolas budistas segundo valores próprios, como democracia, igualdade e justiça. Essa turma afastou o budismo das circunstâncias em que esse se desenvolveu e limpou todo o sangue de sua história.

Continua após a publicidade

 

OUTRAS DÚVIDAS UNIVERSAIS

Por que os terroristas do Estado Islâmico (Isis) executam gays, mas mantêm homossexuais em suas fileiras?

Os gays islâmicos não trocam de posição na cama?

Continua após a publicidade

Por que Moisés demorou 40 anos para atravessar o Sinai, que só tem 200 km de largura?

Se o paraíso islâmico tem 72 virgens, que interesse teria nele uma mulher-bomba?

Os coreanos têm preferência por alguma raça de cachorro para comer?

Na política de filho único na China, que fim levavam os gêmeos?

Continua após a publicidade

Por que os japoneses pescam baleias, se não comem a sua carne? 

Por que os iranianos não usam gravata?

 

Quer ser avisado sobre os próximos posts? Siga o Dúvidas Universais no Twitter e no Facebook.

Publicidade