Clique e assine a partir de 9,90/mês
Dora Kramer Por Coluna Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

União fraterna

Maioria recorre à unidade no combate à violência da minoria

Por Dora Kramer - Atualizado em 1 Jun 2020, 15h43 - Publicado em 1 Jun 2020, 15h34

O cenário da formação de uma frente político-social contra as ofensivas autoritárias do presidente e seu batalhão de adoradores já se desenhava há algum tempo em manifestações conjuntas pontuais, como as dos governadores de diferentes partidos. Materializou-se, enfim, do fim da semana passado para cá com diversas ações de entidades, personalidades e instituições na defesa dos ideais democráticos.

Rompeu-se a assustada letargia decorrente da conjugação das restrições do isolamento social impostas pela crise sanitária e da ausência de condições politicamente objetivas para a deflagração de um processo de impedimento de Jair Bolsonaro.

Quando artistas, acadêmicos, diplomatas, parlamentares, dirigentes partidários, ex-presidentes da República, cientistas, escritores, líderes religiosos, economistas, juristas, advogados, procuradores e até torcidas de times de futebol se expressam numa só voz é o grito da maioria que se faz presente.

ASSINE VEJA

As consequências da imagem manchada do Brasil no exterior O isolamento do país aos olhos do mundo, o chefe do serviço paralelo de informação de Bolsonaro e mais. Leia nesta edição
Clique e Assine

Note-se que nenhum dos atos e/ou manifestos pede de modo explícito a interrupção do mandato presidencial. O anseio é pela preservação da normalidade institucional. Se Bolsonaro quisesse atender ao chamamento tudo indica que seria bem recebido.

Continua após a publicidade

A questão é que não dá sinais de querer, preferindo se posicionar como fator de instabilidade. Vai criando, assim, o ambiente propício à intensificação das reações. Já conseguiu o que parecia impossível: a disposição da deposição das divergências na sociedade residente fora da bolha de súditos.

Já vimos outros momentos semelhantes na nossa história. E neles não houve nenhum em que, no fim, vencesse a minoria. Por barulhenta e agressiva que fosse.

Publicidade