Clique e assine com 88% de desconto
Dora Kramer Por Coluna Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Tranco no barranco

Precisou o mundo gritar para Bolsonaro enxergar a linha do limite

Por Dora Kramer - 24 ago 2019, 10h20

Presidente Jair Bolsonaro levou um tranco forte quando caminhava para a beira do barranco que poderia levar o Brasil ao fundo do poço onde residem párias internacionais, inimigos da civilidade na qual ocupa lugar de destaque o esforço global pela preservação do meio ambiente, vale dizer, da vida no nosso já tão castigado planeta.

Forçado pelas circunstâncias, recuou (temporariamente?) da negação beligerante com que trata uma questão em que se envolvem também enormes interesses políticos e comerciais.

Há muito oportunismo e desinformação no horizonte, mas o fato é que o presidente contratou o cenário de crise internacional com seu total despreparo para lidar com qualquer debate que requeira pensamento e argumentos mais elaborados. De onde prefere tratar o contraditório a bofetadas.

Precisou o mundo gritar para Bolsonaro enxergar a linha entre o que é permitido e/ou conveniente no exercício da Presidência. Mudou e baixou o tom. Foi obrigado a recorrer ao Exército depois de ter feito movimentos de desprestígio aos militares que pôs no governo. Para conferir peso à fala deixou de lado a internet e fez pronunciamento no veículo tradicional que tanto critica.

Publicidade

É de se conferir agora se, agastado pelo tranco, não vai recrudescer a retórica no trato de temas de interesse nacional sem tanto apelo mundial, a fim de manter a pose de valentão em seu orgulho de ser reacionário.

Publicidade