Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Sob o domínio do mal

Amedrontada, a sociedade adapta seu cotidiano à bandidagem

Hoje há no Rio de Janeiro 850 favelas totalmente dominadas pelo tráfico. Nelas vivem cidadãos cujos direitos e garantias individuais foram capturados pela bandidagem, numa situação representativa de potencial risco para o Brasil todo, assim definida pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann: “Quem controla o território controla o voto e conquista o poder de ocupar espaços na administração pública”.

No tocante à violência e à evidente perda de terreno do Estado nesse combate, o caso do Rio não se circunscreve àquelas regiões. Alastra-se pela cidade e, como demonstram os constantes pedidos de governadores por ajuda do Exército para a manutenção da ordem e a preservação da segurança do público, vai tomando conta do país, sem que as autoridades consigam conter o crescente domínio do mal.

Onde vamos parar? Jungmann não sabe ou não quer explicitar previsões catastróficas. Sabe, no entanto, que vamos de mal a pior e que providências urgentes e radicais são imprescindíveis para evitar que o Brasil viva, amanhã, a “tempestade perfeita” que hoje assola o Rio, tomado ao mesmo tempo por crises moral, administrativa, econômica, fiscal e de segurança.

Na opinião dele, o estado cartão-­postal seria um “caso clássico” de intervenção federal. E por que não se faz, dada a prerrogativa da União nos casos mais graves? “Porque isso suspende emendas constitucionais, o que de início impediria a reforma da Previdência, mas também porque não há dinheiro para que a União possa assumir os compromissos necessários.”

Três ações, no entender dele, poderiam ser postas em prática: a criação de uma Guarda Nacional permanente que não subtraísse efetivos das polícias militares estaduais, uma coordenação competente entre Polícia Federal, Ministério Público, Poder Judiciário e Sistema Prisional e a aprovação de legislação especificamente voltada para o crime organizado.

Isso a prazo curtíssimo, embora na dependência de improvável entendimento entre as áreas citadas. A médio e longo prazos, o ministro defende uma revisão constitucional no capítulo da segurança pública, devido à “falência” do arcabouço legal criado pela Constituição de 1988.

“Na época, com o regime militar ainda muito próximo, o constituinte achou por bem desmontar o então sistema centralizado, deixando a segurança pública ao encargo dos estados. Foram transferi­dos 85% das funções. À União coube o restante e, ao contrário do ocorrido na Saúde e na Educação, não ficou assegurado nenhum repasse do Orçamento para o Ministério da Justiça.”

Em miúdos: “Não podemos fazer nada. Não temos recursos nem autorização legal para agir”. Além disso, acrescenta o ministro, “há trinta anos o crime não era organizado nem transnacional e internacional como hoje”.

Diante disso, segundo Jungmann, temos um Estado de mãos amarradas e boca convenientemente fechada pelo acordo tácito entre o poder público e o poder dos sindicatos do crime: “Não mexa comigo que não mexo contigo”. Na prática, uma rendição aos sequestradores de funções institucionais, direitos e garantias individuais.

Publicado em VEJA de 7 de fevereiro de 2018, edição nº 2568

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s