Clique e assine com até 92% de desconto
Dora Kramer Por Coluna Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Só pensam naquilo

Maia irá nas águas de Alcolumbre se houver brecha para reeleição

Por Dora Kramer Atualizado em 8 jul 2020, 17h24 - Publicado em 8 jul 2020, 14h58

“Nem pensar”, responde Rodrigo Maia quando lhe perguntam se pretende investir na busca de uma brecha para se reeleger presidente da Câmara. Seria a quarta vez e, se conseguisse, superaria a marca de Michel Temer, que por três vezes ocupou o posto. “Vou tratar de organizar as forças de centro para a eleição de 2022”, responde o deputado quando lhe perguntam o que fará para não perder destaque na política quando deixar o cargo.

Em tese, isso ocorrerá em fevereiro de 2021, já que a Constituição proíbe o pleito de dois mandatos consecutivos na mesma legislatura. Ou seja, dentro dos quatro anos para os quais foi eleito o parlamentar. Pela regra, Davi Alcolumbre, embora ocupe a presidência do Senado pela primeira vez, também está impedido de concorrer a mais um período.

Tanto o senador quanto o deputado estão interessados na possibilidade de mudar essa norma para se reelegerem. A diferença é que Maia o faz em silêncio e Alcolumbre se empenha mais ou menos de peito aberto. Até porque sua posição seria moralmente mais defensável, pois cumpre seu primeiro período da Presidência do Senado.

ASSINE VEJA

Governo Bolsonaro: Sinais de paz Leia nesta edição: a pacificação do Executivo nas relações com o Congresso e ao Supremo, os diferentes números da Covid-19 nos estados brasileiros e novas revelações sobre o caso Queiroz
Clique e Assine

A ideia é, antes de pleitear aos pares a aprovação de uma emenda constitucional mudando a regra, obter um sinal verde do Supremo Tribunal Federal na resposta a uma consulta a ser feita por partido amigo. Jamais o DEM, legenda de ambos os atuais comandantes do Congresso. A consulta dirá respeito apenas a Alcolumbre com a seguinte pergunta: o senador que termina o mandato no fim da legislatura (2022) poderia ser reconduzido?

Se a resposta for afirmativa estrará aberto o caminho para Rodrigo Maia. Por analogia, pois o mandato dele também se encerra na mesma data. E é nessas águas que o presidente da Câmara pretende navegar.

Continua após a publicidade
Publicidade