Clique e assine a partir de 9,90/mês
Dora Kramer Por Coluna Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

São Nunca

Corporativista, Bolsonaro é contra a reforma administrativa

Por Dora Kramer - Atualizado em 14 ago 2020, 12h04 - Publicado em 11 ago 2020, 16h46

Se depender do presidente Jair Bolsonaro a reforma administrativa será enviada ao Congresso no dia de São Nunca. Em mais um adiamento, o governo agora anuncia que aguardará as eleições das presidências da Câmara e do Senado, em fevereiro, para enviar a proposta.

Digam-me o prezado leitor e a estimada leitora o que uma coisa tem a ver com a outra e direi que o nome desse jogo é pretexto. Logo após a aprovação da reforma da Previdência, em 2019, o ministro Paulo Guedes anunciou que a administrativa seria o passo seguinte e imediato. Precisou recuar porque Bolsonaro alegou que manifestações de rua no Chile aconselhavam que se aguardasse.

ASSINE VEJA

A nova Guerra Fria Na edição desta semana: como a disputa entre Estados Unidos e China pode ser vantajosa para o Brasil. E mais: ‘Estou vivendo o inferno’, diz Marcelo Odebrecht
Clique e Assine

Em tese, temia que o funcionalismo se revoltasse por aqui. Na prática, usava de um pretexto como se viu quando não foi cumprida a promessa de mandar a proposta em fevereiro de 2020. De lá para cá nada mais se ouviu a não ser as vozes de especialistas, congressistas e até integrantes da equipe econômica apontando a reforma como essencial para o controle de gastos públicos. Veio a pandemia? OK, mas nem por isso o governo deixou de começar a apresentar suas sugestões para a reforma tributária.

Se o Congresso não tomar a iniciativa de iniciar o debate sobre a reorganização da estrutura de Estado, de novo em 2021 Bolsonaro arrumará uma desculpa. Estará imprimindo mais velocidade ao projeto de reeleição e por isso mesmo nem um pouco interessado em comprar essa briga.

Continua após a publicidade
Publicidade