Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Dora Kramer Por Coluna Coisas da política. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Encontro marcado

Silêncio e grosseria agravam problemas de Bolsonaro com Queiroz

Por Dora Kramer Atualizado em 28 ago 2020, 10h58 - Publicado em 24 ago 2020, 14h37

Querendo ou não “encher a boca” de quem lhe pergunta dos cheques de pancada, o presidente tem um encontro marcado com as devidas explicações sobre os depósitos de Fabrício Queiroz e Márcia de Aguiar na conta bancária de Michelle Bolsonaro. O silêncio só agrava as suspeitas e a grosseria não lhe resolve os problemas que são muitos na seara das transações financeiras da família com o ex-assessor, ora em prisão domiciliar.

Talvez acredite que o assunto morra se ele o evitar, pois não pode ser investigado por ocorrências anteriores ao mandato enquanto for presidente. Seria o caso, se o filho Flávio não estivesse envolvido numa investigação da mesma natureza e que a cada dia, a cada fato revelado, a cada detalhe tornado público vai tornando evidente a existência de um esquema de desvio e lavagem de dinheiro público envolvendo a família Bolsonaro.

ASSINE VEJA

Aborto: por que o Brasil está tão atrasado nesse debate Leia nesta edição: as discussões sobre o aborto no Brasil, os áudios inéditos da mulher de Queiroz e as novas revelações de Cabral
Clique e Assine

Quando manifesta vontade de bater em um jornalista que lhe pergunta a respeito dos cheques na conta da mulher, Jair Bolsonaro na verdade expressa o recôndito e inconfessável desejo de tratar a socos e pontapés quem investiga as ilicitudes.

Não pode fazê-lo agora porque aí estaria dando motivo para ser acusado de agressão e entrar na investigação. Volta-se, então, contra a imprensa em seu papel de mensageira, pouco atento à robustez da mensagem que mais dia, menos dia, lhe será entregue e com a qual terá de lidar sem direito ao recurso da valentia protegida pelo cargo.

Continua após a publicidade
Publicidade