Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Diário da Vacina Por Laryssa Borges A repórter Laryssa Borges, de VEJA, relata sua participação em uma das mais importantes experiências científicas da atualidade: a busca da vacina contra o coronavírus. Laryssa é voluntária inscrita no programa de testagem do imunizante produzido pelo laboratório Janssen-Cilag, braço farmacêutico da Johnson & Johnson.

Em um ano trágico, minha solidariedade às vítimas da Covid

Infelizmente não há imunizantes contra o negacionismo e os adoradores da cloroquina

Por Laryssa Borges 25 dez 2020, 09h27

24 de dezembro: Moro há cerca de 30 anos na mesma rua, um local pacato habitado essencialmente por idosos. Antes da pandemia, ao sair para o trabalho, via um deles tomar sol, em uma cadeira de rodas, acompanhado de uma cuidadora. Este senhor, cujo nome vou omitir em respeito à família, foi a primeira vítima fatal da Covid-19 entre meus vizinhos. A esposa, que me viu crescer e brincar com seus filhos no início dos anos 1980, faleceu um mês depois. Também de Covid.

Na segunda-feira, uma amiga da minha mãe não resistiu e morreu aos 68 anos após aparentemente ter sido contaminada em um evento familiar. Os pais de duas amigas também foram levados pela doença e não conseguiram chegar a este Natal. Nenhum dos que viram seus familiares sucumbirem à doença que se aproxima das 1,8 milhão de mortes no mundo pode se enlutar apropriadamente. Nenhum acha que foi uma gripezinha. Nenhum acha sem propósito a ansiedade e a angústia por uma vacina. Nenhum tripudiou sobre o cadáver de um voluntário.

Tem sido frustrante como voluntária de um medicamento em potencial ver pessoas ao redor sucumbindo aos montes e outras celebrando como se o mundo ainda girasse na mesma rotação. As doses anti-Covid chegarão a nós no próximo ano, mas não há imunizantes contra o negacionismo ou contra os adoradores da cloroquina.

Não há o que comemorar em um ano que redimensionou nossos valores como seres humanos e que nos mostrou a exata medida de nossa fragilidade. Nesta véspera de Natal, minha solidariedade às famílias devastadas pela pandemia. Queria que, como voluntária, pudesse ter feito mais.

Continua após a publicidade
Publicidade