Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Se fora dos estádios todos estão felizes, o que esperam Lula e Dilma para dar as caras sem aviso prévio numa estação do metrô?

Os milicianos do PT andam berrando que Dilma e Lula decidiram ver a Copa sem sair de casa porque só há lugar para ricos nas arenas padrão Fifa. Como os ingressos são muito caros, explicam, os estádios superfaturados estão infestados de bucaneiros da elite golpista, paulistas quatrocentões, loiros de olhos azuis e outras ramificações da […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 03h33 - Publicado em 3 jul 2014, 21h40

Os milicianos do PT andam berrando que Dilma e Lula decidiram ver a Copa sem sair de casa porque só há lugar para ricos nas arenas padrão Fifa. Como os ingressos são muito caros, explicam, os estádios superfaturados estão infestados de bucaneiros da elite golpista, paulistas quatrocentões, loiros de olhos azuis e outras ramificações da tribo de tal forma selvagem que xinga até a presidente da República. Não sobrou nenhuma vaga para o povão.

Deve-se deduzir, portanto, que os ex-pobres que ingressaram na classe média graças a Lula não têm dinheiro para o ingresso que lhes permitiria ver um jogo de perto. Mas estão mais felizes do que nunca, como os demais excluídos dos monumentos à gastança irresponsável: do lado de fora dos estádios, a euforia com a Copa das Copas segue garantindo aos inventores do Brasil Maravilha a liderança do campeonato mundial de popularidade. Todos estão grávidos de gratidão ao padrinho e à afilhada.

Se é assim, o que esperam o ex-presidente e a sucessora para vingar-se dos bárbaros que traíram a pátria no Itaquerão? Para tanto, bastaria que Lula e Dilma aparecessem sem aviso prévio numa estação do metrô de São Paulo. Já que a dupla está tão bem no retrato, não há nada a temer. Coragem, companheiros.

 

Continua após a publicidade
Publicidade