Clique e assine a partir de 9,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

O vídeo informa: a palavra de Genoino tem tanto valor quanto uma cédula de 3 reais

De novo, o deputado presidiário José Genoino qualificou de “abutres” os jornalistas que acompanham seus deslocamentos entre a Papuda e o hospital. Mais uma vez, a coluna replica com a exibição de um vídeo gravado em  1° de setembro de 2008 pelo programa CQC, da Band. É mais que uma conversa entre o humorista Warley […]

Por Augusto Nunes - Atualizado em 16 Feb 2017, 12h20 - Publicado em 28 Nov 2013, 22h18

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=YTmWVa7sur8?wmode=transparent&fs=1&hl=en&modestbranding=1&iv_load_policy=3&showsearch=0&rel=1&theme=dark&w=425&h=344%5D

De novo, o deputado presidiário José Genoino qualificou de “abutres” os jornalistas que acompanham seus deslocamentos entre a Papuda e o hospital. Mais uma vez, a coluna replica com a exibição de um vídeo gravado em  1° de setembro de 2008 pelo programa CQC, da Band. É mais que uma conversa entre o humorista Warley Santana, que se apresenta como “jornalista e assessor de imagem”, e um figurão do PT. É uma prova contundente de que a palavra de Genoino tem tanto valor quanto uma cédula de 3 reais.

No começo da entrevista, o enviado especial do CQC lhe pede que aponte as principais diferenças entre a juventude dos anos 60 e a de agora. Aquela “tinha sonho ideologia e causa”, afirma Genoino. “A juventude de hoje, apesar de ter mais informação, ela tem menos conhecimento”. Com as câmeras desligadas, o declarante ouve o conselho: como o público do programa é constituído majoritariamente por jovens, seria conveniente abrandar com observações elogiosas os reparos que fizera aos moços deste início de século.

Imediatamente aceita, a sugestão provoca bruscas mudanças na forma e no conteúdo do palavrório. “Uma  geração não pode se relacionar com a outra de maneira arrogante nem autoritária”, corrige-se Genoino no recomeço do palavrório. “Cada geração vive a intensidade da sua época”. Hoje, derrama-se o declarante, os jovens “estão vivendo uma intensidade positiva, têm muita informação”. Os poucos minutos seguintes bastam para transformar o que deveria ser uma entrevista num monumento à hipocrisia. E confirmam que, a exemplo do chefe supremo, sacerdotes da seita lulopetista não têm compromisso com o que dizem.

Continua após a publicidade

Os problemas cardíacos do mensaleiro condenado por corrupção ativa são reais, mas só quando o paciente está engaiolado na Papuda aparecem surtos de depressão ou princípios de enfarte. A doença existe. Os achaques do hóspede da cela S 13 podem ser tão verdadeiros quanto o depoimento ao CQC.

Publicidade