Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Lula usou o São Francisco para inventar a obra que vira ruína sem ter existido

Graças à prisão de quatro executivos de empresas que andaram pescando quilos de dinheiro às margens do São Francisco, a milagrosa transposição das águas acaba de transferir-se do cartório onde jaz o Brasil Maravilha para o noticiário político-policial. Agonizante desde os trabalhos de parto, o que deveria ser a obra do século é hoje o […]

Transposição do Rio São Francisco 1

Graças à prisão de quatro executivos de empresas que andaram pescando quilos de dinheiro às margens do São Francisco, a milagrosa transposição das águas acaba de transferir-se do cartório onde jaz o Brasil Maravilha para o noticiário político-policial. Agonizante desde os trabalhos de parto, o que deveria ser a obra do século é hoje o mais recente esqueleto do acervo acumulado pelo escândalo do milênio. A extravagância fluvial nem precisou ser inaugurada para transformar-se num portentoso símbolo da Era da Mediocridade. E numa prova de que, num momento infeliz da nossa história, o povo brasileiro desempenhou aplicadamente o papel de otário.

Em 2004, estacionado no Ceará, o palanque ambulante jurou que até 2006 seria materializado um dos grandes sonhos de Dom Pedro II (ou “Predo”, na pronúncia do Pedro III de botequim). “Muitas vezes a coisa pública foi tratada no Brasil como se fosse uma coisa de amigos, um clube de amigos, e não uma coisa pública de verdade”, ensinou Lula durante a discurseira ufanista. Como o gênio da raça descobrira que a coisa pública deve ser tratada como coisa pública, sobravam as verbas que sempre faltaram. “Dinheiro não vai faltar”, gabou-se o maior dos governantes desde Tomé de Souza.

Na campanha presidencial de 2006, o aspirante a um segundo mandato não pronunciou uma única e escassa palavra sobre a multiplicação das águas que continuavam onde sempre estiveram. A vitória nas urnas refrescou-lhe a a memória. Sem apresentar justificativas para os dois anos de atravo, avisou que ainda faltavam quatro para que o sertão virasse mar. “Em 2010, um nordestino pobre vai fazer o que nem um imperador conseguiu”, recomeçou a lengalenga. O vídeo abaixo mostra os capítulos seguintes da farsa.

Em 2010, o padrinho avisou que a transposição seria inaugurada pela afilhada dali a dois anos. Em 2012, Dilma prometeu concluir em dezembro “a primeira fase” da proeza invisível a olho nu. O resto teria de esperar até 2014. Convidado a explicar-se durante a campanha pela reeleição, o poste fabricado por Lula descobriu que a coisa era complicada demais para ser feita tão em pouco tempo. “Houve uma subestimação da obra”, escapuliu a doutora em nada que subestima obras e a inteligência da plateia.

Em 2015, Lula ressuscitou a tapeação ao som da lira do delírio. De novo, repetiu que os brasileiros ficarão grávidos de orgulho patriótico quando puderem contemplar o colosso “que nem Dom Pedro II conseguiu realizar”. A nova etapa da Operação Lava Jato, apropriadamente batizada de Operação Vidas Secas, já apurou ladroagens que somam pelo menos R$ 200 milhões, embolsados por banqueiros amigos e empreiteiros de estimação do chefe supremo. Ainda é cedo para calcular com precisão o produto do roubo.

Também não tem preço o assombro parido por Lula às margens do São Francisco. O fundador do império do embuste inventou uma espécie de obra que enriquece meio mundo antes de virar ruína sem ter existido.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Júnior Dias

    Augusto Nunes, como escreves bem! Te acompanho sempre.

    Curtir

  2. SYLVIO DE ALENCAR NEVES COSTA

    Uma reportagem tendenciosa… Estou a 30 minutos pesquisando e a realidade do total construído me faz ver a coisa de outra perspectiva. Ontem a água chegou à Monteiro, na Paraíba; são 400 quilômetros percorridos…
    Se houve roubalheira? É claro que houve. Mas condenar a obra de maneira tão incisiva não traz nenhum benefício a que eu possa me apegar. Considero um desserviço.

    Curtir

  3. ROBERTO NASCIMENTO ANDRADE

    Lógico que a obra está começando a funcionar, o Exército assumiu a obra.

    Curtir

  4. Thomas Thompson

    Qualquer matéria vindo da Veja ou Globo ela é no mínimo tendenciosa. A obra pode não estar completa em 100%, mas ela existe e foi uma das melhores coisas da dupla Lula e Dilma.

    Curtir

  5. Luis Carlos Teixeira

    E agora??? ….. Panelas silenciosas….. onde estão os comentários atacando a obra?

    Curtir

  6. Marcos Antonio

    kkkkkk Folhetim facista conhecido como veja sendo o que sempre foi: LIXO.

    Curtir

  7. Paulo De Tarso Bezerra

    Augusto Nunes, ruína leva água ao semi árido?

    Curtir

  8. Flavio Hernandez

    Hahahaha, isso que dá tanto ódio e inveja… Que besteira, camaradinha. Vai escrever sobre os políticos que querem posar de pais da “ruína”?

    Curtir

  9. Lúcio Antônio da Silva

    Sofro com seca aqui, sofro humilhações em pedir água pra beber aos grandes coronéis da política donos de poços artesianos, sofro com com discriminação de ser chamado de flagelados da seca. Ou, volta, volta tudo, agora isso já não existe mais! A transposição é ruim para quem trocava voto a troco de água, agora isso não existirá mais! Inveja ou…

    Curtir

  10. Max Lisboa Diogo

    o ATAQUE AO NOSSO PRESIDENTE NÃO VAI PARAR AS AGUAS QUE ESTÃO BANHANDO O SERTÃO.lULA 2018 PRESIDENTE.vEJA SEMPRE NA VANGUARDA DAS MENTIRAS NO PAÍS DAS BANANAS VERDES MADURADAS DE SOL.

    Curtir