Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Lula revela que só não foi Cabral porque nasceu no século 20. Sorte dele: já no dia do Descobrimento teria virado comida de índio

Até virar passarinho, Hugo Chávez se apresentou como a reencarnação de Simón Bolívar. Sem compromisso com qualquer tipo de fidelidade, Lula é mais versátil. Já foi Juscelino Kubitschek, Getúlio Vargas, Dom Pedro II e Abraham Lincoln. Na semana passada, a metamorfose delirante informou que apenas quatro séculos impediram que fosse também Pedro Álvares Cabral. O […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 03h46 - Publicado em 29 Maio 2014, 18h26

[youtube https://www.youtube.com/watch?v=r5Y1wSGKvMs?feature=oembed&w=500&h=281%5D

Até virar passarinho, Hugo Chávez se apresentou como a reencarnação de Simón Bolívar. Sem compromisso com qualquer tipo de fidelidade, Lula é mais versátil. Já foi Juscelino Kubitschek, Getúlio Vargas, Dom Pedro II e Abraham Lincoln. Na semana passada, a metamorfose delirante informou que apenas quatro séculos impediram que fosse também Pedro Álvares Cabral.

O vídeo de 16 segundos registra a novidade, revelada neste 16 de maio na escala feita em Sorocaba pela caravana que zanza pelo interior paulista tentando cumprir a missão urgentíssima e complicada: curar o raquitismo que afeta os índices atribuídos a Alexandre Padilha por todos os institutos de pesquisa. Principal atração da trupe, o palanque ambulante entrou em ação logo depois do almoço. E achou uma boa ideia usar o passado remoto para ajudar o futuro imediato do candidato a governador.

No meio do falatório, o fabricante de postes se dirige a um certo Hamilton para lembrar que “eles ficam muito nervosos”. Sem esclarecer quem são “eles” nem explicar as razões do nervosismo, decola rumo a 1500. “Ficam dizendo que o Lula pensa que é ele que descobriu o Brasil. Se eu existisse na época eu teria descoberto mesmo. É que eu não existia”, delira o recordista mundial de bravata & bazófia sob risos e aplausos da plateia amestrada.

Sorte dele. Se Lula estivesse no lugar de Cabral, não haveria uma Primeira Missa, mas um Primeiro Comício de curtíssima duração. Mesmo sem saber o que dizia aquela figura estranha, os donos da terra logo entenderiam que era tudo vigarice. A troca de espelhinhos por pedras preciosas comprova que eram tão ingênuos quanto os milhões de modernos primitivos que mantêm o PT no poder. Mas não sofriam de abulia paralisante, disfunção epidêmica no Brasil do século 21. E achavam que tapeação tem limite.

Depois de cinco minutos de discurseira insuportável, até uma tribo de vegetarianos estaria transformada num bando de antropófagos ansiosos pelo começo do banquete. E já no dia 22 de abril de 1500 o descobridor do Brasil viraria comida de índio.

Continua após a publicidade
Publicidade