Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Especial VEJA: Leonel Brizola ─ cunhado é serpente

Publicado na edição impressa de VEJA “A essas acusações de comunista, subversivo, de agitador inconformado, de incapaz de convivência democrática, a esses agravos e até insultos, eu respondo com a minha indiferença”, esbravejou Leonel Brizola em 30 de maio de 1963, durante uma sessão de ânimos exaltados na Câmara dos Deputados. Brizola podia ser qualquer […]

Publicado na edição impressa de VEJA

leonelbrizola

“A essas acusações de comunista, subversivo, de agitador inconformado, de incapaz de convivência democrática, a esses agravos e até insultos, eu respondo com a minha indiferença”, esbravejou Leonel Brizola em 30 de maio de 1963, durante uma sessão de ânimos exaltados na Câmara dos Deputados. Brizola podia ser qualquer coisa, menos indiferente. E todos podiam sentir tudo em relação a ele, menos indiferença. Incluindo seu cunhado, João Goulart, de quem foi salvador e algoz ao mesmo tempo.

Nacionalista no sentido pervertido da palavra ─ todos os que não concordassem com ele eram vendilhões da pátria ─ e populista em sua acepção mais organicamente arrebatadora ─ ele falava, a massa exultava e ia atrás, mesmo que para o abismo ─, Brizola tinha o carisma que faltava a Jango, mas a mesma capacidade de fazer avaliações erradas. Tinha também 270.000 votos, um número espantoso para um ex-governador gaúcho eleito deputado pelo Estado da Guanabara. “Não era fácil ao presidente governar com um Brizola a tiracolo, mas lhe era muito difícil libertar-se dele, numa conjuntura que, todos os dias, apresentava novos contornos, novas dificuldades e novos imponderáveis”, avaliou pouco depois do golpe o ex-ministro da Justiça de Jango, Abelardo Jurema.

>Palavras serenas assim, talvez só as dele mesmo. Menos política, Maria Thereza Goulart, que havia se casado com um vestido feito pela cunhada Neusa, irmã de Jango, disse depois que Brizola “naquela época tocou um pouco de fogo no circo”. Tanto, e com tanto ardor, que mesmo os comandantes militares partidários da tática de espera ─ empurrar a crise até a eleição presidencial de 1965 ─ se convenceram de que não dava: com Jango ou sem Jango, Brizola planejava um golpe institucional que levaria, na sua concepção, à instauração de uma república sindicalista.

“Você viu o discurso do Brizola? Ele quer fechar o Congresso”, disse o general Castello Branco em telefonema ao companheiro de farda Arthur da Costa e Silva, depois do comício de 13 de março em que o explosivo cunhado presidencial defendeu uma Assembleia Constituinte composta só daqueles que passassem por seu crivo: trabalhadores, camponeses, sargentos e oficiais nacionalistas. Como governador do Rio Grande do Sul, Brizola havia liderado a Campanha da Legalidade, em 1961, que garantiu a posse do vice Jango, e a defesa do plebiscito, em 1963, que devolveu ao cunhado os poderes do presidencialismo.

Não à toa, ele se sentia um pouco, ou talvez até muito, dono da Presidência, à qual planejava ascender por meio da campanha por uma mudança constitucional que lhe permitisse ser candidato, sob o slogan “cunhado não é parente”. A dicotomia entre o introvertido filho de estancieiro rico, que multiplicou a fortuna paterna investindo com acuidade no negócio do boi gordo, e o refulgente político de infância tão miserável que chegou a viver de favor num sótão apertado, como um Harry Potter dos pampas, explodia no jornal brizolista O Panfleto, praticamente todo dedicado a criticar a “política de conciliação com minorias e grupos conservadores” de Jango.

No início de 1964, Brizola ameaçou privar o governo do apoio da Frente de Mobilização Popular, guarda-chuva de todas as esquerdas. No comício da Central, Jango, numa leve deferência ao cunhado, disse que não é com rosários que se combatem as reformas, numa referência a um episódio ocorrido semanas antes em Belo Horizonte em que senhoras de terço na mão e manifestantes inflamados haviam impedido Brizola de fazer um comício. Ele escapou do tumulto a pé e, numa rua mais adiante, sequestrou um carro apontando um revólver para a cabeça do motorista. Não houve arma, discurso ou carisma que impedissem o golpe que ele acompanhou de Porto Alegre, tentando organizar uma resistência que nunca viria.

Colaboradores: André Petry, Augusto Nunes, Carlos Graieb, Diogo Schelp, Duda Teixeira, Eurípedes Alcântara, Fábio Altman, Giuliano Guandalini, Jerônimo Teixeira, Juliana Linhares, Leslie Lestão, Otávio Cabral, Pedro Dias, Rinaldo Gama, Thaís Oyama e Vilma Gryzinski.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Tiago Barcelos

    Não concordar com as idéias do Brizola é compreensível, mas negar o espírito progressista, patriótico, nacionalista dele, só pode ser por pessoas que moram na lua, ou em qualquer recanto do universo. Tão visível como o sol, era sua preocupação com o Brasil, que quase sempre esteve na mão de tapados. Os gaúchos não são dependentes do arroz hoje porque ele industrializou nosso estado. Temos multinacionais porque ele tirou nossa infraestrutura das mãos dos americanos. Quem segue estes boatos maldosos sobre ele é desinformado, ou da turma que acredita em papai noel.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Lúcio Sátiro

    Com toda certeza merece estar na lata do lixo da História. Consta pesadíssimas acusações contra esse indivíduo na obra de Leandro Narloch “Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil”.SE aquilo for verdade, o lugar de Brizola era na Polícia Especial de Getúlio. comunista bom é o que já morreu.

    Curtir

  3. Comentado por:

    antonio

    Sentido figurado – Aquele aparentado que pode se intrometer na vida,de um casal, como uma cunha, insinuante, inconveniente.Só pode ser nada mais que o cunhado não é a toa que começa com c*

    Curtir

  4. Comentado por:

    nilton de souza moraes

    qual a verdadeira casa do pai o coraçãodo homem

    Curtir

  5. Comentado por:

    Diego Reinal Magni

    Falar mal de Brizola é muito fácil. Difícil mesmo é construir mais de 1000 escolas no RS e 500 no RJ e ter a educação como forma principal de governo. Educação dos CIEPS que serviriam não somente para a EDUCAÇÂO do aprendizado, mas também para princípios morais, e outros benefícios para a sociedade, como Saúde e Segurança!

    Curtir