Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Coxinhas e mortadelas

Eles formam uma oposição até bem humorada entre carne branca e vermelha que talvez viaje no nosso inconsciente antropofágico

Fernando Gabeira (publicado no Blog do Gabeira)

Com a prisão de Lula, Palocci e, agora, José Dirceu, o PT sofre um duro baque. Os dois outros grandes partidos, PSDB e PMDB, agonizam mais lentamente.

Precisamente as escaramuças para driblar a Justiça e escapar da Lava Jato, diante de uma plateia atenta, é algo que vai levá-los à perda de credibilidade.

Imaginam que ninguém percebeu que Gilmar Mendes soltou seus operadores. Gilmar funciona como um juiz de futebol que apita uma inexistente falta de ataque dentro da área. No futebol chamamos isso de perigo de gol. Em termos jurídicos é perigo de delação premiada.

José Dirceu o último a ser preso concedeu uma entrevista muito sensata e inteligente sobre a vida na cadeia, como sobreviver, como se comportar.

Ele acha que a esquerda voltará ao poder porque é esse o fio da história. É perfeitamente possível que, num processo de alternância democrática, a esquerda volte ao poder.

No entanto é difícil para os velhos militantes abrirem mão desse fio da história, da crença de que ela tem um rumo e desembocará no destino previsto.

Isto, por mais que seja revestido de um verniz científico, é na verdade um contrabando religioso no pensamento político.

Se a história tem um script determinado o papel dos atores também é facilmente explicável, uns a favor outros contra o suposto rumo da história.

É um tipo de pensamento que facilita a divisão grosseira entre nós e eles. Contribuiu a seu modo para o desgaste de nosso tecido político, do avanço da intolerância.

Coxinhas e mortadelas, na verdade, formam uma oposição até bem humorada. Uma oposição entre carne branca e vermelha que talvez viaje no nosso inconsciente antropofágico.

Hans Staden, um mercenário alemão, que passou nove meses entre os tupinambás foi certamente o primeiro coxinha da história. Quase o comeram. Escreveu um livro que arrebatou a Europa, um best seller para a época.

Nos dias atuais, a sublimação do desejo de devorarmos uns aos outros não deixa de ser um avanço.

No entanto, o quadro muda quando os setores mais radicais no espectro usam e abusam da expressão fascista e comunista.

Tanto o fascismo como comunismo, cada um no seu estilo, deixaram milhões de mortos, em regimes onde a liberdade também foi sepultada.

Quem é chamado de fascista ou comunista sente-se, no caso de não sê-lo, bastante ofendido.

Mas isso não é o principal efeito colateral dessa leviana troca de acusações.

O fascismo é uma experiência histórica bem definida. O primeiro efeito colateral negativo de acusações infundadas é banalizá-la e portanto, desativar sua rejeição e torná-lo mais perigosa caso apareça no horizonte.

O outro efeito colateral das acusações recíprocas é a falsa sensação de que comunismo e fascismo são o verdadeiro antagonismo na sociedade brasileira.

A ambos interessa que o antagonismo seja esse. No entanto, ele mascara os diversos pontos em comum que os regimes comunistas e fascistas partilham: repressão política, partido único e suas consequências.

E esconde o verdadeiro adversário do fascismo e do comunismo: a democracia, solução negociada dos nossos problemas.

A esquerda usou grande parte de sua energia para se defender e deixou de lado os problemas nacionais. É uma ausência que não só reduz suas chances da alternância no poder: empobrece o debate sobre a reconstrução nacional.

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Paulo Bandarra

    Em essência comunismo e fascismo são duas formas do socialismo. Jamais do capitalismo.

    Curtir

  2. Sonia Fausta Tavares Monteiro

    Será que esses conceitos de Esquerda e Direita fazem qualquer sentido neste nosso país ? Quem visita paises como Alemanha, Polônia, Hungria, República Tcheca, e outros, percebe de perto, o que esses povos sofreram, e sofrem ainda, como consequência de regimes totalitários! Por outro lado , e aqui no Brasil , tenho a impressão de que nomear como de Direita os que, com muitas exceções, clamam pelo Direito e Justiça para o País; e de Esquerda. aqueles que são alienados com relação aos problemas nacionais, e mantêm um pé em países ditos socialistas ou comunistas, não faz qualquer sentido! Pelo que entendo , e em conclusão talvez simplista, em países mais adiantados, Direita e Esquerda definem idéias baseadas em diferentes conceitos de ações governamentais , mas que podem chegar a um consenso quanto a resultados que beneficiem o país! Pois é… assim sendo, tenho a impressão de que essa Direita ou essa Esquerda que existem por aqui, não passam de um meio para instituir um antagonismo inútil, e que na sua inutilidade, não leva a lugar algum!

    Curtir

  3. Texto interessante, mas superficial. Sobre fascismo, sempre recomendo o texto de Mario Vargas Llosa “A liberdade nas ruas”, publicado em El País em 08 Mar 2014 (antes da guinada à esquerda), no Estadão em 09 Mar 2014, e também reproduzido aqui neste blog. O texto tratava do início da escalada de repressão promovida pelo governo Maduro e previa o fim da democracia venezuelana. Não citarei o essencial aqui pois o texto merece ser lido integralmente.

    Curtir