Assine VEJA a partir de R$ 9,90/mês.
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Choradeira no clube dos cafajestes

Um DVD com cenas que somam 10 minutos do filme Lula, o Filho do Brasil foi exibido no meio da semana, em auditórios improvisados na Câmara e no Senado, a platéias compostas por parlamentares da base alugada. “A parte que me foi entregue por um produtor é realmente emocionante e fez com que todos que […]

Por Augusto Nunes - Atualizado em 22 fev 2017, 15h50 - Publicado em 13 jun 2009, 21h05

Um DVD com cenas que somam 10 minutos do filme Lula, o Filho do Brasil foi exibido no meio da semana, em auditórios improvisados na Câmara e no Senado, a platéias compostas por parlamentares da base alugada. “A parte que me foi entregue por um produtor é realmente emocionante e fez com que todos que estavam na sala chegassem às lágrimas”, contou o deputado Eduardo Cunha, do PMDB do Rio.

Ainda sob o impacto da nomeação do afilhado Luiz Zelada para a diretoria internacional da Petrobras, Cunha não resistiu aos momentos dramáticos da sessão de cinema. “Também chorei muito”,  murmurou. Mas nenhuma alma pareceu tão dilacerada quanto a do deputado Henrique Eduardo Alves, do PMDB do Rio Grande do Norte. Foi dele o pranto mais comovido, garantiram os companheiros de platéia.

Se o filme é bom ou ruim, logo se saberá. Mas foi bonito saber, no Dia dos Namorados, que no peito da bandidagem do Congresso também bate um coração.

Publicidade