Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Carlos Graieb e Augusto Nunes comentam no Sem Edição a 26ª fase da Lava Jato e o comício no Planalto: Não vai ter golpe nem renúncia. Vai ter impeachment

http://videos.abril.com.br/veja/id/93aef2bcaad893fd387a3e4663f3e923?

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Comentado por:

    Amilcar

    Não creio que a “presidenta” esteja em seu juízo perfeito,
    ou ela ainda não entendeu que pode sair do Palácio do Planalto algemada ou talvez ser linchada pelo povo nas
    ruas,face aos rumas que as coisas estão tomando. Eles, o
    PT e asseclas não contam com apoio nem de 5% do povo, se
    partirem para quebrar o pau, vão tomar porrada de tudo
    que é jeito, do povo, da polícia, o
    jogo acabou e quando acaba i time que perdeu coloca a
    viola no saco e vai embora.

    Curtir

  2. Comentado por:

    Sandra

    Vcs são muito fofos! Parabéns pelo bate-bola!

    Curtir

  3. Comentado por:

    zé maria

    Pelo visto, um novo e poderoso agente vai passar a atuar nesse embroglio: é um tal de “primário da lei”. Quem será esse? Ma che paúra!

    Curtir

  4. Comentado por:

    Valentina de Botas

    Três anos depois, abriram a cela, a mulher saiu para nunca mais ser livre. Talvez porque impossível se libertar da ideologia que a levou para uma organização terrorista; talvez porque tão irrelevante currículo não passe mesmo de uma ficha policial; talvez porque ao trauma não tenha sido dada uma rota de cura; talvez por índole; talvez por tudo isso, a mulher-que-foi-presa-e-torturada-pela-ditadura, quando acuada, corre para um desvão da alma em permanente penumbra tornada uma cela de onde, aos berros, anuncia que ninguém vai tirá-la de lá. Refere-se à presidência, mas fala de dentro de uma cela que insiste em fazer de argumento, resultando em banalização e ineficácia. Poucas coisas são mais relevantes numa história de vida do que exercer a presidência da república e o mesmo poderia ser válido para Dilma se ela fosse uma presidente. Contudo, o exercício vil do cargo culminou, na tarde desta terça-feira, numa esculhambação institucional tão indecorosa no comício cometido no Palácio do Planalto que a passagem dessa farsante pelo governo não define uma gestão, mas uma instrumentalização criminosa do Estado com tudo dentro, do cafezinho ao pessoal, das instalações aos símbolos. Tudo para berrar ao país indignado que a mulher encarcerada não o libertará e atacar o juiz Sérgio Moro, cuja presença se fez no nome silenciado pelas infâmias. Se para a farsa mambembe, como as de uma Caravana Rolidei que espalha desgraça em contraste com a do filme, a presidente se reunisse à mesma malta na casa de um dos juristas analfabetos em lei ou de um dos professores obscuros, num fim de semana ou depois do expediente sempre ruinoso para a nação, tudo seria apenas a agonia do governo organizada segundo a moral dos presentes. No Palácio do Planalto, essa moral guiou tudo na avacalhação institucional custeada pela nação para ser acusada de golpista. Um professor – Santo Deus! – da UnB disparou que a corrupção num país de tantas desigualdades não é o maior problema, como se ela não as agravasse. Aplaudia os berros contra o golpe imaginário no uso do grampo legal o jurista amestrado Celso Bandeira de Mello que não viu golpe quando defendeu o uso de gravações clandestinas, num artigo na Folha em junho de 1999, contra FHC, de quem pediu o impeachment, conforme lembra hoje Felipe Moura Brasil na respectiva coluna. As ameaças do ministro-irmão-camarada Aragão, as chicanas da AGU na figura ridícula do porquinho Cardozo para defender o ministério para o lorde cigano jeca dessa caravana rolidei troncha que não passará e a pajelança obscura no Planalto pela abolição da legalidade nos berros de uma farsante acuada prolongam a morte dessa realidade. Dilma não renunciará à presidência, aos crimes e ao próprio cárcere voluntário, produzindo sem querer, em 14 anos desse regime torpe, o único bem ao Brasil que já lhe disse bye bye, pois o prolongamento disso servirá para tatuar fundo na volátil memória do país que saberá ser livre a lição dura e preciosa: esses carcereiros, nunca mais. Um beijo

    Curtir

  5. Comentado por:

    RODRIGUES

    O canalha do Lula responsável por tudo que esta acontecendo, ainda tem a cara de pau, obviamente mentindo, que vai ajudar a Dilma nem que seja a ultima coisa que vai fazer nesse País. Vai canalha! Todo mundo já te conhece, vai ajudar em que? Afundar mais o País? MORRE DIABO!

    Curtir