Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A moeda do Petrolão

Sitiante de Atibaia reforça a suspeita de que as propinas eram pagas em pixulecos

Por Branca Nunes Atualizado em 30 jul 2020, 22h32 - Publicado em 11 jun 2016, 10h46

“O que existe são determinadas pessoas, que eu considero alguns até bandidos, que fizeram delação premiada e disseram que eu sabia de tudo. Eu duvido que aqui no Brasil eles encontrem um empresário que diga que um dia conversou comigo sobre um peso argentino, ou um dólar americano ou real brasileiro. Eles vão ter de provar”. (Lula, na entrevista ao canal de televisão árabe Al Jazeera, reforçando a suspeita de que Marcelo Odebrecht, Léo Pinheiro, Ricardo Pessoa e outros empreiteiros amigos usavam a expressão pixuleco na hora de acertar as contas com o pai do Petrolão)

Publicidade