Clique e assine a partir de 9,90/mês
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

A estreia da caxirola agita a internet com a especulação inevitável: imagina na Copa

PUBLICADO EM 29 DE ABRIL BRANCA NUNES Lançada festivamente no Palácio do Planalto neste 23 de abril, a caxirola ─ um caxixi repaginado para transformar-se na versão nativa da vuvuzela sul-africana ─ até que foi bem em ambiente fechado. Apresentado por seu inventor, Carlinhos Brown, o instrumento caiu nas graças da presidente Dilma Rousseff, entusiasmou […]

Por Augusto Nunes - Atualizado em 16 fev 2017, 11h19 - Publicado em 27 dez 2013, 19h00

tarja-an-melhores-do-ano-2013

PUBLICADO EM 29 DE ABRIL

BRANCA NUNES

Continua após a publicidade

Lançada festivamente no Palácio do Planalto neste 23 de abril, a caxirola ─ um caxixi repaginado para transformar-se na versão nativa da vuvuzela sul-africana ─ até que foi bem em ambiente fechado. Apresentado por seu inventor, Carlinhos Brown, o instrumento caiu nas graças da presidente Dilma Rousseff, entusiasmou a ministra da Cultura, Marta Suplicy, recebeu a chancela do Ministério do Esporte e saiu de Brasília pronta para fazer bonito na Copa de 2014.

O clima de otimismo foi fortemente abalado neste domingo, quando a novidade concebida há dois anos estreou a céu aberto em Salvador. O cenário parecia perfeito: Vitória e Bahia disputariam o grande clássico regional na Arena da Fonte Nova, reconstruída para abrigar jogos da Copa das Confederações e do Mundial. Indignados com a vitória por 2 a 1 do velho rival, os torcedores do Bahia não demoraram a descobrir que o caxixi com alça pode ter outras finalidades além das musicais.

Para testar a aceitação do público, a empresa The Marketing Store, detentora dos direitos de fabricação e comercialização da caxirola, distribuíra 50 mil unidades entre as torcidas dos dois times. Já no primeiro tempo, esparramavam-se pelo gramado dezenas de caxirolas. Logo viraram centenas. E se tornaram incontáveis quando os aficcionados do Bahia decidiram descontar a frustração no juiz, nos bandeirinhas, nos adversários e nos jogadores do time do coração.

Continua após a publicidade

Impressionados com a chuva de caxirola, milhares de brasileiros multiplicaram na internet a mesma especulação: imagina na Copa. Aparentemente, o episódio não abalou a confiança dos empreendedores. A Marketing Store pretende vender a R$ 29,90 cada um dos 1,8 milhão de instrumentos do primeiro lote. Até o fim da Copa, a empresa espera colocar no mercado entre 10 milhões e 50 milhões de caxirolas. Se a demanda explodir, avisa a assessoria de imprensa, os fabricantes estão prontos para chegar à marca dos 100 milhões.

Ao saber dos incidentes na Fonte Nova, o ministro Aldo Rebelo ficou alguns segundos pensativo antes de soltar a pérola de concisão: “Não é boa notícia”. Outra pausa e o comentário de quem se esforça para acreditar no que está dizendo: “Não necessariamente vai acontecer algo semelhante se o Brasil estiver perdendo uma partida na Copa”.

Compreensivelmente, a The Marketing Store não vai reprisar o teste da Fonte Nova. A caxirola só voltará a entrar em campo quando começarem os jogos entre seleções. E se o time brasileiro estiver perdendo? E se os craques de Felipão pisarem na bola? Não é difícil imaginar como será.

VEJA TAMBÉM:

Continua após a publicidade

─ O apagão de 14 horas e a cratera em frente do estádio do Maracanã levam à associação inevitável: imagina na Copa

─ Desabamento parcial da cobertura na Fonte Nova revoga a discurseira de Dilma e leva à associação inevitável: imagina na Copa

─ Prefeitura do Rio de Janeiro inventa a palavra ‘Aiport’ e leva mais uma vez à associação inevitável: imagina na Copa

─ O ‘departure’ indicando o desembarque na rodoviária de Natal leva mais uma vez à associação inevitável: imagina na Copa

Continua após a publicidade

─ Brasília adere ao inglês de hospício e transfere o norte para o sul. Imagina na Copa

─ As trapalhadas dos organizadores da Jornada levam à associação inevitável: imagina na Olimpíada

Publicidade