Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Augusto Nunes Por Coluna Com palavras e imagens, esta página tenta apressar a chegada do futuro que o Brasil espera deitado em berço esplêndido. E lembrar aos sem-memória o que não pode ser esquecido. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

‘Tudo culpa da mídia’, editorial do Estadão

Publicado no Estadão deste domingo O PT não desiste: é tudo culpa da mídia. Depois de Lula ter proclamado aos quatro ventos que o lamentável episódio das ofensas dirigidas a Dilma Rousseff no jogo de abertura da Copa do Mundo foi obra da “zelite”, seu homem de confiança no Palácio do Planalto, o ministro Gilberto […]

Por Augusto Nunes Atualizado em 31 jul 2020, 03h37 - Publicado em 23 jun 2014, 12h36

Publicado no Estadão deste domingo

O PT não desiste: é tudo culpa da mídia. Depois de Lula ter proclamado aos quatro ventos que o lamentável episódio das ofensas dirigidas a Dilma Rousseff no jogo de abertura da Copa do Mundo foi obra da “zelite”, seu homem de confiança no Palácio do Planalto, o ministro Gilberto Carvalho, manifestou opinião diversa, mas não necessariamente divergente, que na verdade “aprimora” o argumento petista: a culpa é da “pancadaria diária” dos meios de comunicação no lombo do PT e de seu governo.

Ajudam a entender as intenções do ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência as circunstâncias em que ele se manifestou. Circunstâncias que, de resto, demonstram claramente o que o PT entende por “democratização da mídia”: uma reunião, no Palácio do Planalto – patrocinada, portanto, com recursos de todos os brasileiros -, com blogueiros e ativistas militantes ou simpáticos ao lulopetismo, convocados para tratar da necessidade de se articularem e unificarem o discurso contra a “direita militante que não havia antes”, para fazer “o debate da mídia para valer” (não ficou claro se o “para valer” se referia ao debate ou à mídia).

» Clique para continuar lendo

Continua após a publicidade
Publicidade